Social:
sábado, 31 maio 2014 15:17

Maio mês do Coração

Escrito por 

 

Maio foi o mês escolhido pela Sociedade Portuguesa de Cardiologia como o Mês do Coração.

 

O mês para sensibilizar, para cuidar, para colocar as cartas na mesa, mas sobretudo para despertar consciências, alterar hábitos e melhorar a saúde do nosso Coração.

Curiosamente o mês de Maio termina no dia 31, com o Dia Mundial Sem Tabaco, ou seja fechamos o mês que dedicamos ao coração dizendo não a um dos seus piores inimigos.

Cada um de nós é responsável pelo seu processo de Saúde/Doença, mas acima de tudo cada um de nós, desde que tenha conhecimentos para tal, é responsável por prevenir, por intervir e por se cuidar. Conscientemente podemos fazer uma introspeção e pensar, que se a Sociedade Portuguesa de Cardiologia dedica um mês inteiro a abordar o coração e de que maneira o podemos preservar, cada um de nós deve pelo menos dedicar-lhe um par de horas todos os dias, porque o nosso coração merece!

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), as doenças cardiovasculares são responsáveis por 30% do total de mortes no mundo. E em 2010 esse grupo de doenças foi a primeira causa de morte em todos os países em desenvolvimento.

Atualmente sugere-se que mais de 80% dos casos de morte por doenças cardiovasculares estejam associados a fatores de risco já conhecidos. São considerados mais importantes os fatores que apresentam alta prevalência em muitas populações; os que têm impacto independente e significativo no risco para as doenças isquémicas e acidente vascular cerebral; e os modificáveis ou passíveis de controlo. Por apresentarem esses três critérios de relevância, vem sendo enfatizado o controlo do diabetes mellitus, da obesidade, da inatividade física, do uso do tabaco e da hipertensão arterial.

De entre os fatores de risco modificáveis, a hipertensão arterial é considerada o mais importante para as doenças isquémicas e para o acidente vascular cerebral. Nos últimos anos, alguns autores têm chamado a atenção para a necessidade de re-discussão dos valores de tensão arterial ideais, pois parece haver uma relação linear entre o risco de morte por causa vascular e os valores da pressão arterial, mesmo entre o espectro de valores considerados normais.

Doença cardiovascular é um termo genérico que designa todas as alterações patológicas que afetam o coração e/ou os vasos sanguíneos. No termo inclui-se a doença cardíaca coronária (doença que afeta os vasos sanguíneos que irrigam o coração), a hipertensão e a arteriosclerose. Um dos mais importantes fatores de risco de doença cardiovascular é a hipertensão (tensão arterial elevada).

A existência prolongada de valores elevados da tensão arterial conduz a alterações nas paredes dos vasos sanguíneos que interferem com o fluxo de sangue e resultam no facto de o coração deixar de receber oxigénio suficiente. O coração reage com dor, a que se chama angina de peito (que significa literalmente "aperto no peito").

Outro fator de risco modificável importante é o tabagismo. Estima-se que esse hábito seja a principal causa de morte evitável no mundo em função da sua atuação como precursor de diversas patologias e a sua alta prevalência. A magnitude do problema é identificada ao considerar a estimativa da OMS de que cerca de 1/3 da população mundial adulta seja fumadora. Assim como o hábito de fumar, a inatividade física, a obesidade e o sedentarismo também vêm sendo ressaltados pela instituição como um importante entrave para o controle das doenças cardiovasculares. Estima-se que o sedentarismo, ainda que de forma dependente de outros fatores, seja responsável por 22% das doenças isquémicas do coração  e que a obesidade e o sobrepeso já atinjam 1 bilião de pessoas no mundo.

Parece ficção, mas não é… Se uma boa parte do Mundo vê a sua vida ameaçada pela falta de alimento, a outra parte ameaça a sua vida com os excessos e a má escolha da alimentação.

Há hábitos simples alteráveis que podem melhorar a saúde do nosso coração e a nossa vida, são

  • Manutenção do peso ideal- Devemos ter cuidado com a alimentação e o nosso peso. Quanto mais gordura ingerirmos/apresentarmos mais esforço fará o coração para bombear o sangue, o que pode prejudicar a nossa saúde.
  • Prática de atividade física  – Caminhar, correr ou passear sempre que possível é agradável e o coração agradece! Tornar a atividade física um hábito faz bem não só ao corpo como à mente.
  • Redução de sal - O excesso de sal na comida leva à retenção de líquidos, acarretando a hipertensão. Por isso, modere na hora de temperar a comida e diminua o consumo de enlatados/alimentos em
  • Evitar bebidas alcoólicas: O álcool em grande quantidade é o pior inimigo de um coração saudável. Corte nas bebidas ou consuma com muita moderação.
  • Dieta saudável: Gorduras saudáveis (azeite) e pouco sal são medidas indispensáveis na dieta de quem quer manter o coração saudável. Inclua ainda muitas frutas, verduras e legumes. Dê preferência às carnes magras/peixes e consuma-os essencialmente cozidos e grelhados.
  • Cigarro: o tabaco, em conjunto com as outras substâncias tóxicas do cigarro, aumenta a tensão arterial imediatamente, além de comprometer toda a sua saúde. Parar de fumar imediatamente é fundamental! 
  • Stress: ele aparece como resposta do organismo às sobrecargas físicas e emocionais. Controle as suas emoções e procure incluir atividades relaxantes na sua rotina (conversar, ouvir musica, ver televisão, passear pela natureza). 
  • Exames médicos: avaliações regulares não só ajudam a identificar o problema no começo, facilitando o tratamento, como servem para adequar o uso de medicamentos de forma mais eficaz. 
  • Avaliar a Tensão Arterial: no mínimo uma vez por mês, todas as pessoas devem fazer esse simples exame como uma forma de prevenir problemas mais sérios.
Sociedade Europeia de Hipertensão
Sociedade Europeia de Cardiologia
Pressão sistólica
 (mmHg)
Pressão diastólica
 (mmHg)
Óptima <120 <80
Normal 120-129 80-84
Normal Alta 130-139 85-89
Hipertensão Grau I 140-159 90-99
Hipertensão Grau II 160-179 100-109
Hipertensão Grau III ≥ 180 ≥ 110

Hoje mais do que nunca cada um de nós tem que estar sensível que as doenças que “não se vêem” também existem, dão sinais e sentem-se!... Na nossa vida as pequenas causas têm grandes efeitos, cabe a nós mudar e alterar rotinas.

Neste mês do coração que termina com o dia Mundial Sem Tabaco, vamos olhar por nós, pela nossa saúde, pelo nosso coração, porque:

Aquele que não tem tempo para cuidar da saúde, vai ter que encontrar tempo para cuidar da doença!...”
Dr. Lair Ribeiro

 

Referências

·         World Health Organization. Building blocks for tobacco control. Geneva: World Health Organization; 2008.         

·         World Health Organization. The World Health Report 2002: reducing the risks, promoting healthy life.http://www.who.int/whr/2002/en/

·         www.revportcardiol.org

 

Elaborado por Enfª Mónica Tavares

monica tavares

Revistas

Artigos de Autor

 Revista Nursing

Revista Sinais Vitais

 

Revista Investigação em Enfermagem