Social:

A bastonária da Ordem dos Farmacêuticos alerta para as dificuldades que se vão sentir com a passagem de muitos profissionais para 35 horas de trabalho semanais, alegando que "está posta em causa a segurança dos doentes".
Há hospitais em que a falta de pessoal farmacêutico chega aos 40%. Ordem teme "colapso total" com a introdução das 35 horas a partir de julho e alerta que "a segurança dos doentes está em causa".
A denúncia é feita por oito antigas trabalhadoras da organização. Sexo em troca de medicamentos é recorrente. As acusações são contra membros da equipa de logística e não contra médicos e enfermeiros.
A cada ano que passa, e de acordo com as estatísticas, há cerca de 200 pessoas que perdem a voz e o movimento, no seguimento do diagnóstico de ELA.
Ministro da Saúde pediu ao presidente demissionário, Carlos Liberato Baptista, para se manter no cargo por mais algum tempo. Nomeação de novo presidente está pendente há quase um mês.
A proposta é de Carol Jagger, professora de epidemiologia do envelhecimento na Universidade de Newcastle, no Reino Unido, e será apresentada nesta quinta-feira na conferência anual do Instituto de Ciências Sociais, em Lisboa.
Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa concluiu que clinicamente “nunca houve evidências” de que a jovem de 19 anos, que morreu após uma dezena de visitas à urgência, tinha um tumor cerebral. Entidade Reguladora da Saúde diz que poderiam ter feito mais, mas apenas emitiu orientações.
O Centro Hospitalar da Cova da Beira (CHCB) garantiu esta quarta-feira que não há nenhum doente infetado com a bactéria "legionella ambiental", que foi detetada no Hospital do Fundão.