Social:
segunda, 11 agosto 2014 20:01

Laboratórios alertam para graves consequências de realizar análises em centros de saúde e hospitais

A Associação Nacional dos Laboratórios (ANL) considerou hoje, em Bragança, que a realização de análises clínicas, em centros de saúde e hospitais, por decisão da Unidade Local Saúde do Nordeste (USLNE), pode ter «graves consequências» para utentes e para a região.

Para o presidente da ANL, José Chaves, a «internalização» das análises pela USLNE, poderá acarretar o fim da rede de laboratórios clínicos na região e os custos sociais associados.

José Chaves disse à Lusa que a ULSNE está a apresentar algumas alternativas aos laboratórios, que passam «por um acordo bilateral», com «uma redução de 30% nos custos das análises» e, se aqueles não a aceitarem, «será feito um concurso para que concorram com a melhor proposta, partindo sempre de um teto máximo de 30% para o serviço convencionado».

Esta proposta, porém, não é do agrado da associação, pois se os valores propostos pelos laboratórios não forem aceites, a ULSNE procederá então à «internalização» dos serviços de análises clínicas, nos centros de saúde ou nos hospitais da região.

«Esta situação, a acontecer, vai retirar à população a liberdade de escolher o local onde quer fazer as suas análises e, por outro lado, retirar qualquer tipo de viabilidade financeira e de sustentabilidade aos laboratórios existentes na região nordestina», enfatizou José Chaves.

Os representantes da ANL acreditam que, com esta posição, a ULSNE vai criar «uma situação menos cómoda para outros utentes, assim como para os benificiários do Serviço Nacional de Saúde».

Na reunião de hoje da ANL, em Bragança, foi apresentado o documento «Análises Clínicas no Nordeste Transmontano: cinco pontos que os utentes devem saber», sobre as consequências da internalização das análises e os direitos que assistem aos utentes.

A ANL tem por objetivo distribuir este documento junto da população.

FONTE: http://bit.ly/1rjdbb1

Ler 2280 vezes