Social:
sexta, 25 abril 2014 15:11

Saúde 24 vai começar a acompanhar idosos com mais de 75 anos

 

“A ideia é avaliar as pessoas , o contexto social em que vivem, ajudá-las com alguma informação que lhe possa dar qualidade de vida”, sintetiza. Nesta avaliação determinar-se-á a situação clínica do idoso, a sua autonomia física, a forma como se alimenta, o seu estado social e cognitivo, entre outras dimensões. As pessoas que vivem isoladas terão um acompanhamento mais diferenciado, acentua Sérgio Gomes.

 NOTA do Editor(Mauro Rosa) : Pegando no texto em destaque, pergunto-me se é possível fazer isto via telefone e pergunto ainda o que estão a fazer( a impedir o seu desenvolvimento) às Unidades de Cuidados na Comunidade(UCC) cujo papel seria crucial neste tipo de cuidados. 

Ora então bloqueiam o seu desenvolvimento , bloqueiam os meios para que estas possam desempenhar o seu papel e depois dá-se esta pompa e circunstância a uma tipologia de serviço que não tem os meios para o fazer?

Qual é a missão das UCC's?

"A UCC presta cuidados de saúde e apoio psicológico e social, de âmbito domiciliário e comunitário, especialmente a pessoas, famílias e grupos mais vulneráveis, em situação de maior risco ou dependência física e funcional ou doença que requeira acompanhamento próximo e actua, ainda, na educação para a saúde, na integração em redes de apoio à família e na implementação de unidades móveis de intervenção".( http://www.acss.min-saude.pt/Portals/0/04_ucc.pdf ) 

 

 

"A linha telefónica Saúde 24 vai passar a ter um serviço dedicado especificamente aos idosos, mas, numa primeira fase, esta nova resposta dirige-se apenas às pessoas com mais de 75 anos e não à população com idade superior a 65 anos, como chegou a estar previsto. O novo serviço arranca sexta-feira, dia em que em que o call center do Serviço Nacional de Saúde (SNS) completa sete anos de existência, e o objectivo central é o de acompanhar a população em situação de maior vulnerabilidade, os idosos que vivem isolados.

O número é o mesmo (808 24 24 24) mas o serviço será mais abrangente, uma vez que, além do habitual aconselhamento telefónico em questões de saúde, se pretende fazer uma “avaliação biopsicossocial” dos idosos, explica o coordenador da linha Saúde 24, Sérgio Gomes.

“A ideia é avaliar as pessoas , o contexto social em que vivem, ajudá-las com alguma informação que lhe possa dar qualidade de vida”, sintetiza. Nesta avaliação determinar-se-á a situação clínica do idoso, a sua autonomia física, a forma como se alimenta, o seu estado social e cognitivo, entre outras dimensões. As pessoas que vivem isoladas terão um acompanhamento mais diferenciado, acentua Sérgio Gomes.

Mas cabe aos idosos tomarem a iniciativa de telefonar para o call center do SNS e de assumirem que pretendem depois passar a ser acompanhados com alguma periodicidade, sendo os contactos então agendados. Está prevista “pelo menos uma chamada por mês” , explica o coordenador. Uma das mais-valias passa pela articulação com a GNR e a PSP. As autoridades policiais serão avisadas caso o idoso ou a pessoa referenciada como sendo a que lhe está mais próxima não atenderem o telefone, sublinha.

O director-geral da Saúde já tinha explicado em Março ao PÚBLICO que o objectivo era o de avançar com uma espécie de “acompanhamento activo” dos idosos, mas na altura pensava-se que o novo serviço se destinaria à população com mais de 65 anos. “Primeiro vamos perceber como funciona e podemos depois ir baixando [a idade], desde que haja condições”, diz agora Sérgio Gomes, que calcula que o novo serviço resulte num acréscimo de cerca de 10 mil chamadas por mês (a linha atende actualmente entre 65 a 70 mil telefonemas por mês).

Outra hipótese que chegou a estar em estudo, e que passava pela criação de um sistema de alarme que permitisse, por exemplo, vigiar eventuais quedas dos idosos, não vai também avançar nesta fase inicial.

Os defensores deste projecto acreditam que o investimento vai compensar uma vez que, à medida que a idade avança, aumenta de forma significativa a prevalência de doenças crónicas e, consequentemente, a procura de cuidados de saúde. Experiências realizadas noutros países provam, aliás, que o acompanhamento telefónico pode ajudar a reduzir o número de hospitalizações e as despesas de saúde.

Uma dimensão que é importante num país tão envelhecido como Portugal. De acordo com o último censo (2011), cerca de 400 mil idosos vivem sós e outros 804 mil vivem em companhia exclusiva de outros idosos, um aumento da ordem dos 28% em apenas uma década.

O PÚBLICO quis saber se a empresa que gere a linha contratou mais enfermeiros para dar resposta ao novo serviço. “Este é mais um algoritmo que se junta aos 117 já existentes”, explicou Sérgio Gomes, que se recusou a falar sobre os problemas laborais que têm afectado o call center do SNS. O coordenador diz apenas que “a taxa de eficácia está agora semelhante aos níveis anteriores [aos dos problemas laborais], oscilando entre os “90 e os 95%”.

Quando o projecto Saúde 24 Sénior foi anunciado, em Janeiro, numa altura em que se multiplicavam os protestos contra os cortes salariais e os despedimentos então em curso na Linha Saúde 24 , Luís Pedroso Lima, responsável da empresa que ainda gere o call center até ao final deste mês, previa que seria necessário recrutar “um número significativo de enfermeiros”.

Desde que foi criada, há sete anos, a Llinha Saúde 24 recebeu cerca de 5 milhões de chamadas, tendo evitando quase um milhão de idas aos serviços de urgência, enumera Sérgio Gomes, que frisa que um quarto dos portugueses já utilizaram o serviço."

http://www.publico.pt/sociedade/noticia/saude-24-comeca-a-acompanhar-idosos-com-mais-de-75-anos-1633365

 

Ler 2798 vezes