Imprimir esta página
domingo, 06 julho 2014 22:50

A tendência preocupante que notei quando a minha história de amamentação se tornou Viral

Você pode ter visto a minha foto no seu feed de notícias do Facebook recentemente.

Caso você tenha perdido a história ligada a ela , aqui está a versão de cinco segundos: Eu fui ao Starbucks com minha filha de 5 meses de idade, para tomar um café. Ela começou a se mexer, sentei-me para cuidar dela para acalmá-la, e uma mulher de meia-idade pediu a um barman adolescente para me fazer parar de amamentar, em voz alta, dizendo que era "repugnante". Ele tomou conta dela -, oferecendo-me uma bebida grátis, um voucher e um pedido de desculpas pela experiência desagradável, quanto o reclamante fugiu do local. Sim, eu sou a mulher que compartilhou esta história positiva de amamentação com o meu grupo  local sobre parentalidade. Ela se tornou viral em 24 horas.

No começo eu estava animadoa com uma resposta tão esmagadoramente positiva para a minha história. Amigos me disseram que ela apareceu nos seus feeds de notícias em todo o mundo, geralmente com uma legenda como "Awesome!", "Go, Barman!", "Bom trabalho Mama!"ou "Alguém educou bem esse rapaz!" Como é lindo, pensei, especialmente porque, como uma parteira (quando não estou em licença de maternidade), eu trabalho duro para garantir quer as minhas clientes que optam por amamentar tenham a melhor chance de fazer sucesso .Então eu cometi o erro de olhar para alguns dos comentários dos leitores. A grande maioria foram positivas, mas havia um lado muito mais sombrio também.

Esse lado variou entre o absurdamente desinformado ("neandertais amamentados em público, devemos evoluir para cima e não para baixo!") Ao doentio misógino ("Sim, eu olharia para aqueles peitos como se estivessem batendo em torno do Starbucks") para o desnecessariamente grosseiro ("Eu não puxo a minha calça para baixo e urino em público, por que você deve sacar suas tetas e amamentar? C*bra à procura de atenção"), com um monte de "Porque as mulheres não se tapam quando estão a amamentar? ". Levei algumas horas para arrumar os meus sentimentos sobre tudo isso, mas agora que eu tconsegui, eu queria compartilhar alguns dos meus pensamentos consigo.

O que mais me chocou em tudo isso é a forma como muitas dessas vozes negativas vieram de mulheres. Da cliente reclamante original para aqueles postando os seus comentários on-line, estou realmente com medo do que isso significa para a nossa sociedade que mulheres adultas consideraram aceitável  insultar e menosprezar outras mulheres sobre a amamentação em público - basicamente por ter seios e usá-los como a natureza entendeu. Sobre o tema do aleitamento materno, a ciência é clara: saudável para os bebês, saudável para as mães. Natural. Nutritiva. Nutrir. A melhor maneira de incentivar o aleitamento materno é pôr uma geração de crianças a crescer realmente vendo mães a amamentar . Se as mulheres colocarem barreiras a isso, como é que esta normalização vai acontecer? Mas ainda mais do que perder os potenciais benefícios para a saúde e de ligação de amamentação, aqui está o que me preocupa: muitas destas mulheres são mães ou vão ser um dia. O que seus filhos vão aprender com elas postando esses comentários mordazes anti-mamas? Esse cyberbullying é correcto? Essa desaprovação de uma mulher por ser mulher é um jogo justo para o escarnio online? Esse sentimento desconfortável com a amamentação pública significa que abriu a temporada para o abuso digital? Esses comentários circulam ao redor do globo, agora, assim como a história original o fez, e eles vão deixar a sua pegada digital por anos, até mesmo décadas, até mesmo para os seus próprios filhos olharem anos mais tarde. Se as mulheres estão saltando sobre o ódio-fest sobre algo que é tão muito uma questão feminina, como na Terra podemos esperar construir uma geração de meninos e meninas gentis, atenciosas e inclusivas?

Para mim, o mais insidioso do abuso abertamente escrito foi a enxurrada de comentários dizendo que a mulher deve cobrir-se quando ela está a amamentar. Ou ir para o seu carro ou o WC - ou não sair de sua casa - se ela acha que o seu filho vai ficar com fome. Parte de mim queria responder com alguns retornos mal-humorados: "Cubra-se, você diz? Estão 39 graus C aqui em Ottawa hoje; Eu não estou para sufocar o meu filho para salvá-lo do seu potencial vislumbre. Ir para o meu carro? Ah, você quer dizer o meu forno portátil? Eu mencionei 39 graus? Amamentar no WC? Ficar em casa? Uau, agora que está evoluindo para baixo? Você está dizendo a todas as mães que amamentam que não se deve deixar a casa em caso dos nossos bebês ficarem com fome. Deixe-me ficar na cozinha até que meu marido chega em casa do trabalho para me engravidar novamente."

Esses comentários me deixaram com raiva. Não apenas porque eles tratam um peito dque amamenta como um objeto sexual (que é por si só bastante preocupante quando compara uma criança a alimenar-se com o que está a acontecer nas suas calças), mas porque eles sugerem que as mulheres devem-se esconder durante em certos períodos (trocadilho intencional) das suas vidas. O que se está a dizer quando se diz a uma mulher para se tapar é que o seu corpo ofende. Isso para mim não é tão distante do envio de mulheres para a "Tenda Vermelha" (e não me refiro a loja em Toronto) quando estão menstruadas. A grande maioria destes comentários vieram de mulheres. Outras mulheres, com o mesmo hardware que eu tenho e que são ou podem um dia se tornar mães. Você está tão chateada com a percepção do seu próprio corpo que você não pode sequer cogitar ver uma pequena parte de uma outra mulher? Se você tem uma filha, é assim que você quer que ela se sinta relativamente ao seu corpo? Só será apta a aparição pública desde que não esteja fazer nada distintamente feminino? Se você tem um filho, é assim que você quer que ele pense sobre as mulheres, sobre os seus corpos, sobre a maternidade? Tão perigosamente sexualizada que deve ser temida e ridicularizada, até mesmo deliberadamente escondida do mundo? Como pais, você tem a maior influência sobre os seus filhos, e sobre o tipo de pessoas e pais que eles se tornarão. Você está a escrever um projeto para a próxima geração. Por favor, pense sobre a mensagem enviada antes de sugerir que as mulheres, em massa, devem-se esconder por medo de serem vistas exatamente por aquilo que elas são.

Para que conste, aqui está a forma como estava no dia que eu amamentei meu filho no Starbucks, e como eu estou toda vez que amamentar [nurse] o meu filho. É natural e absolutamente não-sexual e é também um direito legalmente protegido. Eu não tenho nada a esconder. Nem você.

 

o-REBECCA-BALFOUR-570

Fonte: www.huffingtonpost.com (Traduzido)

Ler 3694 vezes