Social:

PS avisa Catarina Martins: “O BE não manda na Assembleia nem no país”. A intenção do BE era salvar o fim das taxas moderadoras, caso a lei de bases não fosse aprovada. Mas cisão à esquerda pode comprometer uma solução.
Marta Temido falava à margem da cerimónia do terceiro aniversário do Kastelo. Desde a sua abertura, a unidade de internamento acolheu 77 crianças e a de ambulatório 64.
Ministro das Finanças afirma que o país “nunca” teve “tantos médicos no Serviço Nacional de Saúde”, e que só há cativações em serviços administrativos do Ministério da Saúde.
No final das contas, seja por gestão pública ou privada, o que deverá preocupar o Estado é a qualidade, acesso e satisfação dos utentes. O resto é conversa.
Líder parlamentar e presidente do PS disse que o BE “não manda na Assembleia da República, nem manda no país”.
O Centro Hospitalar frisa que não existe lista de espera para estes exames pois são um serviço de apoio à atividade programada do centro. Doentes só são deslocados em casos específicos, diz o centro.
A coordenadora bloquista não respondeu às palavras da Carlos César, mas voltou a reiterar que "o Bloco de Esquerda não mudou de ideias e mantém a mesma proposta" sobre o fim das taxas moderadoras.
Marta Temido referiu que para "melhor responder" aquilo que é a atividade normal no período de férias, o Ministério da Saúde vai introduzir alterações na zona de Lisboa e Vale do Tejo.