Social:
quarta, 15 janeiro 2020 20:35

Regulador e Ministério do Ambiente garantem qualidade da água da torneira

A taxa de cumprimento relativamente ao trihalometano, composto associado ao cancro da bexiga, é de 99,4%, salienta o ministério do Ambiente.

O presidente da Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos (ERSAR), Orlando Borges, garantiu esta quarta-feira que beber água da torneira é seguro e que a exposição a um composto associado a cancro apresenta valores residuais. A mesma garantia foi dada também pelo Ministério do Ambiente, em comunicado.

Mais populares

  • Imigração

    Número de brasileiros a viver em Portugal subiu 43%. Já são 151 mil

  • Força Aérea Portuguesa

    Força Aérea alega que relógios são peças de arte e faz ajuste directo de 54 mil euros

  • i-album
    Design

    Manuel Lapa, “senhor Da Luz e Das Sombras”, em exposição em Matosinhos

Segundo um estudo divulgado hoje, mais de 6.500 casos anuais de cancro na bexiga, cerca de 5% de todos os casos na Europa, incluindo em Portugal, podem ser atribuídos à exposição a químicos (trihalometanos) na água potável.

De acordo com os resultados do estudo, Portugal está entre os países em que a concentração de trihalometanos (THM) compostos tem picos que ultrapassam o máximo de 100 microgramas por litro permitidos na União Europeia (UE) e que estão também estipulados na legislação nacional.

Os dados compilados indicam, no entanto, que a concentração anual média de THM na água da torneira em Portugal é de 23,8 microgramas por litro, menos do que em Espanha, Inglaterra, Grécia e Irlanda, mas mais do que nos restantes países do centro e norte da Europa.

Ouvido pela Lusa o presidente da ERSAR garantiu que a percentagem do composto nas estações de tratamento de água é residual, e explicou que é resultante do processo de desinfecção. Os valores mais elevados foram detectados no sul do país, nomeadamente no Alentejo.

Em 2018, “das quase 4.000 análises a esse composto, detectamos incumprimentos em 22 casos, e grande parte próximo dos valores de referência”, disse Orlando Borges, explicando que os valores estão disponíveis na página da entidade. Os dados de 2019 ainda não estão disponíveis, mas vão no mesmo sentido, disse.

O Ministério do Ambiente lembrou também, em comunicado, que há relatórios anuais sobre a matéria e que o último, de 2018, “indica que Portugal mantém o nível de excelência, com o indicador de água segura na ordem dos 99%”. O Ministério também garante à população que pode beber água da torneira “com confiança”.

“No último relatório publicado, as análises realizadas à água para consumo humano asseguram que a taxa de cumprimento relativamente ao trihalometano é de 99,4%. Os incumprimentos, muito marginais, são comunicados à autoridade da saúde, num prazo de um dia útil”, diz o comunicado do Ministério.

Orlando Borges justificou o facto de as irregularidades detectadas serem mais a sul do país devido a questões climáticas, por a água ser menos abundante e ter mais matéria orgânica, mas destacou a “boa performance” do país nesta matéria. “É 99% seguro” beber água e os valores de THM são residuais, garantiu o presidente da ERSAR, acrescentando que terminar de vez com a questão passa por alterar as formas de desinfecção da água.

Orlando Borges disse ainda que é conhecida a ligação do cancro com o composto, em níveis altos e não no detectado nas análises à água, e acrescentou que as exigências para com as entidades gestoras “são muito altas”. “Beber água da torneira é completamente seguro”, incomparavelmente mais do que se a água não fosse tratada, disse o responsável.

FONTE - Público

Ler 200 vezes