Social:
quinta, 16 janeiro 2020 15:48

Investigadores de Coimbra procuram voluntários para estudar o risco do radão

Investigadores querem mapear as zonas mais problemáticas no que respeita à exposição do ser humano ao gás radão. Queres ter um “pequeno detector de radão” na tua casa, durante três meses?

Investigadores da Universidade de Coimbra (UC) querem elaborar “um mapa nacional de risco” do gás radão, de forma a estabelecer “medidas de protecção da saúde das populações”.

Para realizar o estudo, solicitado pela Agência Portuguesa do Ambiente, a equipa de especialistas do Laboratório de Radioactividade Natural (LRN) procura voluntários dispostos a instalarem “pequenos detectores de radão nas suas habitações durante um período de três meses”. Os interessados em participar no estudo podem obter o dispositivo, sem qualquer custo associado, enviando o pedido por email ([email protected]).

Dependendo do nível de exposição, o gás radão pode ser um problema para a saúde humana. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), o radão é a segunda causa de cancro do pulmão, a seguir ao tabaco. “Pretende-se simplesmente obter um mapa geral do país que identifique as zonas mais problemáticas no que respeita à exposição do ser humano ao gás radão”, explica Alcides Pereira, docente da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC) e director do LRN.

Com base nesse mapa, que deverá estar concluído no Verão, será possível “estabelecer um conjunto de medidas capazes de mitigar o problema e proteger a saúde das populações”, acrescenta. “Naturalmente, iremos encontrar zonas do país com valores muito diferentes, porque o país é geologicamente muito diferenciado.”

Este trabalho visa dar resposta “à transposição para a legislação nacional de uma directiva comunitária sobre radioactividade natural”, refere. Alcides Pereira nota que, actualmente, “não existem dados coligidos e sistematizados que mostrem a situação geral do país”, já que só foram feitos "estudos pontuais”, resultando em “informação parcial”.

O Laboratório de Radioactividade Natural da FCTUC, sediado no Departamento de Ciências da Terra da FCTUC, é um laboratório com acreditação internacional para avaliar todos os parâmetros radiológicos que permitem responder à globalidade das exigências impostas pela União Europeia, refere na mesma nota a Universidade de Coimbra.

“A elaboração do Plano Nacional do Radão é uma obrigação legal da Agência Portuguesa do Ambiente (APA)”, prevista no âmbito do decreto-lei 108/2018, recorda a UC.

FONTE - Público

Ler 518 vezes