Social:
segunda, 06 janeiro 2020 07:04

Os moradores de Houston sonham em mudar-se para onde o ar é limpo (e não há refinarias)

No bairro de Manchester, em Houston, a poluição vê-se a olho nu. Os moradores culpam as refinarias que rodeiam as casas — e querem mudar de casa por questões de saúde. Apesar de não haver evidências científicas muito concretas, um estudo mostrou que crianças que vivem na zona são mais susceptíveis a ter leucemia.

As plumas de cinza brancas das refinarias do Texas são um cenário constante para a vizinhança de Manchester, do lado Este de Houston, nos Estados Unidos.

Alguns residentes dizem que o ar cheira a químicos, mas que o cheiro desaparece assim que se distanciam alguns quilómetros das casas que se estendem ao longo do Houston Ship Channel, um canal que liga as instalações directamente ao oceano. E garantem que a poluição está a prejudicar a saúde de todos os que lá vivem — ainda que não esteja provado cientificamente.

PÚBLICO -
Foto
Residentes de Manchester pescam junto a uma refinaria REUTERS/Loren Elliott

“Eu quero sair daqui e ir para um país onde tenha ar limpo”, diz Euegen Barragan, electricista de 56 anos, que viveu toda a vida junto das refinarias. “Seria melhor para mim e para os meus filhos.”

Os médicos encontraram quatro nódulos nos seus pulmões e, de acordo com os raio-X e relatórios médicos que mostrou à Reuters, mais estão a crescer. Os primeiros não eram cancerígenos. Barragan diz não ter dinheiro para fazer exames aos nódulos mais recentes. Espera que sejam benignos, para que possa ver os seus filhos crescerem. “Quando faço muito esforço, começo a tossir e tossir, não consigo parar”, diz. “E sei que muitas pessoas têm problemas como o meu.”

PÚBLICO -
Foto
Eugene Barragan REUTERS/Loren Elliott

Lillian Riojas, porta-voz da Valero Energy Corp, uma das refinarias existentes na área, afirma que a empresa tem trabalhado para reduzir a poluição desde que esta foi comprada, em 1997. De acordo com dados da Comissão do Texas para a Qualidade Ambiental, desde que a Valero comprou a refinaria, há 22 anos, os níveis de benzeno caíram cerca de 63%. “Há a narrativa de que a qualidade do ar está a ficar pior, mas isso não é o que os dados sobre as emissões mostram”, atira Riojas.

A Comissão do Texas para a Qualidade Ambiental, que reforça as leis federais e estatais nas questões ambientais, dá à refinaria Valero o nível máximo no que toca ao cumprimento das leis, diz Andrew Keese, porta-voz da agência. As outras refinarias das redondezas e instalações químicas conseguiram apenas uma pontuação satisfatória. Das restantes instalações que envolvem Manchester, a segunda melhor pontuação é atribuída à Goodyear Tire e Rubber Co, segundo Keese.

PÚBLICO - Irma Garcia com a sua neta de 11 meses, Efrain Rodriguez. Garcia, que viveu toda a vida em Manchester, queixa-se de problemas respiratórios persistentes, que acredita serem derivados da poluição.
Irma Garcia com a sua neta de 11 meses, Efrain Rodriguez. Garcia, que viveu toda a vida em Manchester, queixa-se de problemas respiratórios persistentes, que acredita serem derivados da poluição. REUTERS/Loren Elliott
PÚBLICO - Um polícia passa por uma refinaria.
Um polícia passa por uma refinaria. REUTERS/Loren Elliott
PÚBLICO - Natalie Contreras e a filha de três anos, Rosalina Chronister, num tributo a Ciera Rose, que morreu aos quatro anos com cancro.
Natalie Contreras e a filha de três anos, Rosalina Chronister, num tributo a Ciera Rose, que morreu aos quatro anos com cancro. REUTERS/Loren Elliott
PÚBLICO - Uma banda de mariachis toca para trabalhadores da LyondellBasell que acabaram o seu turno.
Uma banda de mariachis toca para trabalhadores da LyondellBasell que acabaram o seu turno. REUTERS/Loren Elliott
PÚBLICO - David Liceaga viveu no bairro de Manchester durante a maior parte da sua vida. Acabou por se mudar para alguns quilómetros depois do bairro.
David Liceaga viveu no bairro de Manchester durante a maior parte da sua vida. Acabou por se mudar para alguns quilómetros depois do bairro. REUTERS/Loren Elliott
PÚBLICO - Cesareo descansa depois de ajudar o seu primo Fernando Alejando a fazer a mudança de casa. Alejandro teve que deixar a casa devido a operações de expansão da Valero.
Cesareo descansa depois de ajudar o seu primo Fernando Alejando a fazer a mudança de casa. Alejandro teve que deixar a casa devido a operações de expansão da Valero. REUTERS/Loren Elliott
PÚBLICO - A família Alejandro prepara-se para mudar de casa.
A família Alejandro prepara-se para mudar de casa. REUTERS/Loren Elliott
PÚBLICO - Fernando Alejandro carrega objectos para o carro.
Fernando Alejandro carrega objectos para o carro. REUTERS/Loren Elliott
Fotogaleria
REUTERS/Loren Elliott

A Goodyear Tire “implementou diversas mudanças que resultaram em emissões mais baixas”, diz Connie Deibel, representante da empresa. A LyondellBasell Industries, TPC Group e Flint Hills Resources, que operam na mesma área, não responderam às questões sobre a poluição na zona de Manchester.

Sem dinheiro para mudar de casa

Um estudo de 2007, o mais recente disponível sobre o tema, feito pela Universidade do Texas, mostra que, numa amostra de mil crianças, aquelas que viviam a três quilómetros do Houston Ship Channel tinham um risco 56% maior de contrair leucemia do que as crianças que vivem a 16 quilómetros do canal. Os investigadores acreditam, por isso, que existe uma ligação entre a leucemia em crianças e a poluição do ar. Ainda assim, o estudo não conseguiu provar quais os poluentes que causam a doença.

PÚBLICO -
REUTERS/Loren Elliott

Durante anos, Dennys Nieto quis deixar o bairro, mas só recentemente conseguiu juntar dinheiro para se mudar com a família para outra zona do Texas. “Sofro de asma e dor nos pulmões. Parece que me estão a bater no peito”, diz Nieto, quando se fala do seu bairro antigo. “Dores de cabeça, inflamação e dor de garganta. Também tenho tensão arterial alta e um ritmo cardíaco irregular.”

“Por isso, quero sair daqui. Quero ir para algum sítio distante das refinarias, para que possa refazer a minha vida, a minha saúde e viver melhor.”

PÚBLICO - Dennys Nieto numa audiência pública sobre a libertação de cianeto de hidrogénio. Nieto dirige-se aos representantes da Valero.
Dennys Nieto numa audiência pública sobre a libertação de cianeto de hidrogénio. Nieto dirige-se aos representantes da Valero. REUTERS/Loren Elliott
PÚBLICO - Dennys Nieto mede a tensão arterial,Dennys Nieto mede a tensão arterial
Dennys Nieto mede a tensão arterial,Dennys Nieto mede a tensão arterial REUTERS/Loren Elliott
Fotogaleria
REUTERS/Loren Elliott

FONTE - Público

Ler 343 vezes