Social:
segunda, 30 dezembro 2019 17:46

Sobrinho Simões alerta que investigação em saúde não chega a empresas e hospitais

Assinalada a criação há 30 anos do Instituto de Patologia e Imunologia Molecular da Universidade do Porto (Ipatimup).

A “maior fragilidade” da investigação em saúde em Portugal é a falta de transferência do conhecimento para empresas e hospitais, alertou esta segunda-feira Manuel Sobrinho Simões, que há 30 anos fundou o Instituto de Patologia e Imunologia Molecular da Universidade do Porto.

“Continuamos a ser excessivamente investigadores. A maior fragilidade da investigação em saúde é a translação do conhecimento. Falta a dinâmica das empresas e dos hospitais na procura pelos institutos”, salientou.

Mais populares

  • i-album
    Matosinhos

    “Vergonha”, “300 mil euros”: escultura de Pedro Cabrita Reis vandalizada em Leça da Palmeira

  • Entrevista

    Felicidade: “Temos de dar ferramentas às pessoas para que pensem de maneira crítica”

  • i-album
    Livros

    Tabaqueiras: trabalho infantil, cancro e lobbying em países em desenvolvimento

Sobrinho Simões, que falava à agência Lusa a propósito do 30.º aniversário do Instituto de Patologia e Imunologia Molecular da Universidade do Porto (Ipatimup), marcado durante este ano por várias iniciativas, admitiu que a “falta de translação” existente na área de investigação em saúde é “um defeito do país”. “Isto impede a capacidade de tornar o modelo mais vivo, porque continuamos a ter muitos papers [artigos científicos] e poucas patentes. Isto não é uma coisa sui generis, é Portugal”, defendeu.

Se em 1989, aquando da fundação do Ipatimup, Manuel Sobrinho Simões, ainda com 42 anos, desejava “ter as vantagens da universidade, sem ter os inconvenientes”, isto é, liberdade, capacidade de contratação e de concorrer a projectos, hoje acredita que o essencial é “aumentar o valor social” da investigação produzida. “Tivemos condições excepcionais para fazer o Ipatimup. Somos uma história de sucesso e viemos de muito baixinho, num país que tinha ficado virado ao contrário”, contou o médico, lembrando que, à época, eram 50 as pessoas, desde técnicos a doutorados, que trabalhavam no instituto.

E se, por um lado, a década de 1980, marcada pela introdução da avaliação externa, deu “um arejamento brutal” à produção científica portuguesa na área da saúde, nos últimos anos “tal não se verificou”. “Sentimos que estávamos num platô, precisávamos de aumentar a capacidade de interacção e produção científica transversal e de dar utilidade social, porque já não interessava só publicar os melhores papers”, explicou o professor.

Foi deste platô, isto é, das “pequenas e poucas elevações” existentes no caminho traçado pelo instituto que, em 2008, surgiu o Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (i3S), resultante da fusão entre o Ipatimup, o Instituto de Biologia Molecular e Celular (IBMC) e do Instituto de Engenharia Biomédica (INEB). Pelos corredores do i3S circulam, actualmente, 1500 pessoas, que, entre laboratórios e escritórios se debruçam sobre “três universos: o cancro, as doenças neuropsiquiátricas e a interacção dos hospedeiros com os organismos.

No entanto, apesar do “excepcional trabalho desenvolvido” pelos investigadores, Sobrinho Simões afirmou que falta “aumentar o valor social” da investigação, mais concretamente, no que à capacidade de elaboração de “produtos e serviços com valor comercial” concerne. À semelhança da introdução de “valor social” na investigação, o patologista sustentou a necessidade de a área ser “mais determinante em algumas políticas”, dando como exemplo os açúcares, o tabaco, a alimentação, a obesidade e as pseudociências.

“A saúde é um problema muito complexo. Devíamos estar preocupados com a saúde e estamos sempre preocupados com a doença, mas não nos podemos esquecer de que, na investigação em saúde, e mesmo no tratamento e na prevenção, a incerteza faz sempre parte da equação.”

FONTE - Público

Ler 341 vezes