Social:
segunda, 11 novembro 2019 18:38

Eutanásia: bispos avisam que defesa da vida merece “redobrada atenção”

O cardeal-patriarca de Lisboa afirmou que nunca pode haver a garantia absoluta de que o pedido da eutanásia é “verdadeiramente livre, inequívoco e irreversível”.

O cardeal-patriarca de Lisboa e presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), D. Manuel Clemente, afirmou esta segunda-feira que “legisladores e cidadãos em geral” devem ponderar o “actual momento sociopolítico português” na discussão da eutanásia, considerando que há “sinais convergentes” na “defesa e promoção da vida”.

Mais populares

  • Crime

    Judiciária a braços com nova “epidemia” de roubos de azulejos

  • Fado

    Morreu Teresa Tarouca, uma voz singular no fado

  • i-album
    Fotografia

    Thilde sentiu como é ser sem-abrigo: “A minha identidade começou a desaparecer”

Na abertura da 197.ª assembleia plenária da CEP, em Fátima, D. Manuel Clemente disse que “a defesa e promoção da vida, da concepção à morte natural”, merece agora “redobrada atenção”. “Nunca é absolutamente seguro que se respeita a vontade autêntica de uma pessoa que pede a eutanásia. Nunca pode haver a garantia absoluta de que o pedido da eutanásia é verdadeiramente livre, inequívoco e irreversível”, citou, a partir de nota pastoral sobre o tema.

O cardeal-patriarca lembrou que, face a “situações difíceis” de manutenção da vida, o caminho defendido pela CEP “só pode e deve ser o desenvolvimento e a generalização” dos cuidados paliativos. Sociedade e Estado, defendeu D. Manuel Clemente, devem tornar-se “também “paliativos”, isto é, envolventes e cuidadores de cada pessoa, em especial das mais debilitadas. Este é o único caminho realmente humano e humanizador que devemos seguir e onde há muito para andar”.

Num momento em que PS, Bloco de Esquerda, PAN e PEV preparam diplomas sobre a eutanásia, o presidente da CEP lembra que há posições “unânimes” de sentido inverso. Além da posição católica, juntam-se outras “do campo ecuménico e religioso e inter-religioso”, nomeadamente “as religiões monoteístas abramíticas: judeus, cristãos e muçulmanos”, disse.

Entre a comunidade médica, além da declaração conjunta “de cinco antigos bastonários da Ordem dos Médicos, em Setembro de 2016”, no passado mês de Outubro “a Associação Médica Mundial reafirmou a sua oposição à eutanásia e ao suicídio medicamente assistido”.

Segundo o cardeal-patriarca, “também da sociedade civil vêm sinais convergentes” contra alterações legislativas nesse campo, como a manifestada no dia 26 de Outubro, quando “milhares de pessoas se manifestaram em várias cidades portuguesas em favor da salvaguarda e promoção da vida e contra a legalização da eutanásia”, manifestação que “se tem repetido ano após ano, num crescendo de participação, mesmo que escassamente divulgada pelos media”, criticou.

Para o presidente da CEP, “no actual momento sociopolítico português estas posições tão unânimes não podem deixar de ser tidas em conta por legisladores e cidadãos em geral”. D. Manuel Clemente falou ainda da preparação da Jornada Mundial da Juventude, que decorrerá em Portugal em 2022, considerando esse momento uma “oportunidade e desafio”, não só para a Igreja mas também para o país. “Será uma boa altura de rejuvenescimento sociocultural”, vaticinou. A assembleia plenária da CEP decorre em Fátima até 14 de Novembro.

FONTE - Público

Ler 138 vezes