Social:
terça, 22 outubro 2019 14:08

Caso do bebé sem rosto: há mais histórias em Setúbal e Almada ligadas ao mesmo médico

Diana, Luana e Rodrigo são três exemplos de crianças que nasceram e que vivem com malformações. Em comum têm o facto de as mães terem feito as ecografias com o obstetra Artur Carvalho. Mas há mais histórias: Afonso nasceu com problemas no coração e viveu apenas quatro meses. Artur Carvalho anuncia que suspende a realização de ecografias.

Tem apenas três anos e já foi operada cinco vezes. Chama-se Diana e nasceu a 10 de Janeiro de 2016. Nasceu com dois rectos e duas vaginas, só tem um rim e espinha bífida. Será outra das crianças cujos pais recorreram a Artur Carvalho - o mesmo médico obstetra que não detectou malformações graves em Rodrigo, o menino sem rosto - para fazer ecografias.

Vanessa Ferreira tem 23 anos e é a mãe de Diana, que há três anos luta para que a filha tenha qualidade de vida. “Ela anda, apesar de os médicos terem dito que poderia nunca andar, e fala. É muito esperta”, diz, sublinhando que para já a menina não parece ter problemas cognitivos, embora os médicos temam que os possa vir a ter mais tarde.

Mais populares

  • Educação

    Professor suspenso e detido depois de alegada agressão “com enorme violência” a aluno

  • Telecomunicações

    NOS repõe serviço após “grave incidente”

  • i-album
    Fotografia

    Lisboa: um retrato dos “engarrafamentos turísticos” por um ex-condutor de tuk-tuk

Os primeiros dois anos de vida Diana passou-os praticamente no hospital. “Fazia muitas infecções urinárias, depois eram as operações”, conta Vanessa, que carrega em si a revolta contra o médico que não detectou as malformações da sua menina.

As duas primeiras ecografias foram realizadas por Artur Carvalho, na Clínica Padre Cruz, em Almada, que tem acordo com o Serviço Nacional de Saúde (SNS).

“Aquele homem não devia exercer”, diz, acrescentando que nas duas primeiras ecografias o médico disse que estava “tudo bem”. “Foi muito antipático e fez as ecografias de forma muito rápida. Lembro-me de até ter perguntado à minha mãe se aquilo era mesmo assim, se era normal”, conta a jovem mãe, que após a segunda ecografia se sentiu mal e acabou por ser internada no Hospital Garcia de Orta, em Almada.

E foi aí que, após três ecografias, foram confirmadas as malformações. Diana nasceu e pensou em processar o médico, mas a advogada com quem falou disse que dificilmente ia ganhar e que apenas iria perder tempo. “Estava tão mal, tão revoltada”, que desistiu. Agora quer voltar a tentar processar o médico. “Vou tentar perceber se ainda é possível. Acho que o devo fazer pela minha filha”, disse Vanessa.

Esta terça-feira, o Correio da Manhã conta outro caso onde surge o nome do médico Artur Carvalho. Luana tem oito anos, já fez cinco cirurgias, não fala nem anda, e está totalmente dependente. Nasceu a 17 de Janeiro de 2011, não tinha queixo, tinha as pernas viradas ao contrário, dedos dos pés colados e lesões cerebrais graves.

Também a mãe de Laura Afonso foi encaminhada, pelo Centro de Saúde, para uma clínica na Amadora com protocolo como SNS. Era seguida por Artur Carvalho que dizia que estava tudo bem. Fez cinco ecografias, mas em nenhuma viu malformações. Laura Afonso avançou com uma queixa, mas tal como o PÚBLICO conta esta terça-feira, o Ministério Público arquivou o caso sem ouvir o médico.

O procurador-adjunto responsável pela decisão, Pedro Miguel Tavares, não viu necessidade de ouvir o clínico. Bastou-lhe o parecer do conselho médico-legal do Instituto de Medicina Legal, segundo o qual não existiu, nem da parte de Artur Carvalho, nem da do médico do centro de saúde, João Buisel, qualquer violação dos seus deveres profissionais. De acordo com esta opinião, era impossível ou quase impossível exames pré-natais de rotina detectarem as malformações. Quanto à trissomia, só poderia ter sido despistada através de um exame invasivo que não estava indicado numa gestante tão nova e saudável.

A estes casos de vitimas que sobreviveram juntou-se agora o de Rodrigo, que nasceu a 7 de Outubro, sem olhos, sem nariz, nem uma parte do crânio. O menino continua internado no Hospital de São Bernardo, em Setúbal.

A queixa formal da família contra o clínico foi entregue na segunda-feira na Ordem dos Médicos. Este foi o caso mais recente e mediático e que destapou toda uma série de outros episódios semelhantes.

Muitos pais vieram agora contar as suas histórias. Foi também por causa do Rodrigo que ficamos a conhecer a história do Afonso. Artur Carvalho não detectou um problema cardíaco em Afonso e o menino acabou por morrer aos quatro meses. As ecografias foram realizadas na clínica Padre Cruz, em Almada, e o médico sempre disse que estava tudo bem.

Afonso nasceu no Hospital Garcia de Orta e foi transferido para o Hospital de Santa Marta assim que lhe foi diagnosticado o problema. Quando os pais fizeram queixa, o médico disse que estavam a mentir e que tinham de provar aquilo que diziam.

Grávidas que tiveram de abortar às 24 semanas

Várias são agora as denúncias de situações semelhantes, mas em que as malformações apesar de foram tardiamente, já perto dos 24 semanas, as mães interromperam a gestação. Inês Silva tem 24 anos e em 2015 teve de lidar com a perda do seu bebé. Três ecografias, realizadas na clínica Ecosado, em Setúbal, e o médico, o mesmo de todos os casos já relatados, dizia que estava tudo bem, até que na terceira apenas lhe disse que devia ir ao hospital. “Disse que tinha ali qualquer coisa que devia ser vista, mas que não era nada preocupante. Escreveu no relatório que o bebé teria uma hérnia diafragmática”, contou ao PÚBLICO, sublinhando que, no hospital de São Bernardo, em Setúbal, fez mais ecografias e perceberam que o” bebé tinha o diafragma aberto e que os órgãos tinham subido”.

“Disseram-me que a situação devia ter sido detectada às 12 semanas e até tiraram fotos das minhas ecografias”, contou, sublinhando que fez queixa “num caderno” que as funcionárias da clínica Ecosado lhe deram.

Cíntia Ribeiro também foi seguida por Artur Carvalho, mas na clínica Padre Cruz, em Almada. Em 2012, aos nove meses de gestação, deu à luz uma menina. Nasceu morta porque tinha o cordão umbilical à volta do pescoço. E em 2015 teve de abortar às 24 semanas quando descobriu que o seu bebé, um menino, tinha malformações que o mesmo médico não detectou. Alega que fez queixa e que até hoje a Ordem dos Médicos nada lhe disse.

O Conselho disciplinar da Ordem dos Médicos vai reunir esta terça-feira para avaliar os processos pendentes contra o médico obstetra.

Médico anunciou suspensão de realização de ecografias

Entretanto, Artur Carvalho comunicou ao bastonário dos Médicos que decidiu suspender a realização de ecografias na gravidez até à conclusão dos processos em análise no conselho disciplinar.

Esta informação foi adiantada à agência Lusa pelo bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, que decidiu contactar Artur Carvalho “perante o alarme social causado” pelas notícias dos últimos dias ligadas ao caso do bebé que nasceu em Setúbal sem nariz, olhos e sem parte do crânio.

“Perante o alarme social causado pelas notícias dos últimos dias e tendo em consideração que os prazos processuais nem sempre vão ao encontro da urgência exigida nestas situações, tomei a iniciativa de contactar directamente o Dr. Artur Carvalho. Na sequência dessa conversa, o médico comunicou-me a sua decisão de suspender no serviço privado e público a realização de qualquer tipo de ecografia obstétrica, até que os processos sejam concluídos pelo Conselho Disciplinar Regional do Sul”, declarou à agência Lusa Miguel Guimarães.

FONTE - Público

Ler 205 vezes