Social:
terça, 17 setembro 2019 21:21

Ministra garante empenho para resolver falta de medicamentos nas farmácias

A governante respondeu à denúncia de 70 associações de doentes, que enviaram uma carta ao Infarmed a alertar para a "realidade assustadora" de pessoas que não encontram medicamentos nas farmácias.

A ministra da Saúde disse esta terça-feira, em Coimbra, que o seu ministério está “empenhadíssimo” em contrariar a falta de medicamentos nas farmácias portuguesas.

É uma situação que nos preocupa imensamente e que estamos empenhadíssimos em contrariar”, sublinhou Marta Temido, no final da cerimónia de comemoração dos 40 anos do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

A governante respondia desta forma à denúncia de 70 associações de doentes, que enviaram uma carta ao Infarmed a alertar para a “realidade assustadora” de doentes cujo estado de saúde se tem agravado devido à falta de medicamentos nas farmácias e à não aprovação de fármacos inovadores.

“Temo-nos deparado com situações de falhas e algumas ruturas no acesso ao medicamento e foi por isso que introduzimos alterações legais recentes”, salientou a governante.

Em declarações aos jornalistas, Marta Temido disse conhecer o teor da carta e adiantou que o Infarmed vai receber as associações de doentes para discutir as dúvidas e as questões suscitadas.

Na carta, a que a agência Lusa teve acesso, as associações de doentes que integram a Convenção Nacional de Saúde referem, em especial, os medicamentos para o cancro e lamentam a demora na aprovação de medicamentos inovadores.

Ministra da Saúde aponta três desafios para Serviço Nacional de Saúde

Durante a sua intervenção na cerimónia de encerramento das comemorações dos 40 anos do SNS, que decorreram esta terça-feira no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, a governante diagnosticou três desafios para o sistema nacional de saúde.

Assim, o SNS precisa de melhorar a qualidade de acesso, motivar os profissionais de saúde e aumentar a sua produtividade e reforçar o investimento, disse a ministra da Saúde.

Apesar da relevância do caminho percorrido e das suas conquistas, a forma mais importante de comemorar o 40.º aniversário do SNS será prepará-lo para o futuro. Ao longo dos últimos 40 anos a sociedade portuguesa modificou-se profundamente e essas modificações colocam novos desafios à sua organização”, salientou.

O primeiro desafio prende-se “com o envelhecimento demográfico, com as alterações epidemiológicas e as multimorbilidades”, radiografou Marta Temido, referindo que esta conjugação de fatores tem gerado uma “procura crescente” na procura de cuidados de saúde.

Entre 2015 e 2018, frisou, o número de inscritos para consulta hospitalar através dos cuidados de saúde primários cresceu cerca de 5% e o de inscritos para cirurgia cerca de 7%.

“A resposta a este desafio implica melhorar a qualidade de acesso, continuando o investimento nos cuidados de saúde primários, conferindo-lhes meios mais diferenciados para responder em proximidade às necessidades, em articulação com as autarquias, e apostando na redução das listas de espera e introdução de cuidados de literacia para a adoção de estilos de vida saudáveis”, argumentou.

Perante uma plateia repleta, em que se encontravam vários antigos ministros da saúde, Marta Temido disse que a “capacidade de superar os desafios que o SNS enfrenta envolve compromissos de todos os atores”.

Da mesma forma que para aprovar uma nova Lei de Bases da Saúde foi essencial a capacidade de trabalhar em conjunto e gerar entendimentos, melhorar a qualidade do acesso, estimular e motivar o orgulho pelo trabalho no SNS e planear e investir com rigor exigirá diálogo e transparência sobre o que nos move”, sublinhou.

Segundo a ministra da Saúde, o SNS não é “só um prestador de serviços, ele é sobretudo um instrumento de combate às desigualdades e de reforço da coesão social”, cuja melhoria “cabe a todos”.

Durante a sessão, foi apresentado o livro “40 anos do SNS”, da autoria da antiga jornalista Maria Elisa Domingues, pelo antigo ministro do Trabalho e Segurança Social Bagão Félix e Isabel Soares. A cerimónia incluiu ainda o lançamento do selo comemorativo dos 40 anos do SNS.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

FONTE - Observador

Ler 108 vezes