Social:
sexta, 13 setembro 2019 17:08

Ministra da Saúde: Garcia de Orta é caso “ultrapassado” e há “ruído infundado” sobre a ADSE

Marta Temido leu a carta de demissão dos médicos do hospital Garcia de Horta e diz que o caso está “ultrapassado”. Sobre o limite a medicamentos por parte da ADSE, diz que houve "ruído infundado".

A ministra da Saúde leu a carta dirigida pelos médicos à administração do Hospital Garcia de Orta, que “apontava dificuldades no preenchimento de um dia de escala concreto”, sexta-feira, dia 13 de setembro, mas garante que “essa escala foi assegurada” e, por isso, o caso está já “ultrapassado”.

Dirigindo-se aos jornalistas esta manhã, no Porto, Marta Temido lamentou o facto de a população não ser “poupada dos sinais de alarme e de preocupação que por vezes extravasam aquilo que é a comunicação de mesa redonda” entre médicos e administrações hospitalares.

Na carta à qual a ministra teve acesso, alguns médicos internos e chefes de serviço do Hospital Garcia de Orta comunicavam um despedimento coletivo pela falta de profissionais para as escalas de urgências desta sexta-feira, mas também denunciavam falta de especialistas, sobretudo para a área da medicina interna, e acusavam a ilegalidade de retirar do banco de urgências a cirurgia geral.

Marta Temido, solidária com os médicos, sublinhou a grande afluência de doentes neste hospital e a saída de profissionais nos últimos anos, “designadamente para outros prestadores, até do setor privado”, pelo que compreende o “desgaste muito significativo nos recursos humanos”. Não deixou, no entanto, de mencionar os 250 profissionais que começaram a trabalhar no hospital Garcia de Orta “desde há 4 anos a esta parte, dos quais 90 são médicos especialistas”, nem as 28 vagas recentemente abertas para recém especialistas neste hospital.

Ainda sem saber se a carta de demissão vai ou não ser retirada, espera agora que médicos e administrações possam sentar-se a conversar e “consigam levar a cabo o trabalho que têm em conjunto”, em várias reuniões já agendadas.

Marta Temido falou aos jornalistas à margem da razão pela qual estava na Secção Regional do Norte da Ordem dos Médicos: participar na apresentação do projeto de reinvenção dos Agrupamentos de Centros de Saúde. Questionada sobre a polémica com a limitação de fármacos por parte da ADSE, aproveitou para esclarecer aquilo que diz ter sido “menos bem interpretado” em “notícias infundadas”.

A ministra relembrou as três condições que todos os medicamentos têm de apresentar para poderem ser administrados pela ADSE aos beneficiários. “A primeira, óbvia, a autorização de introdução no mercado”, descreveu Marta Temido; a segunda passa por “uma autorização de utilização especial conferida pelo INFARMED”, explica, para os casos em que o medicamento ainda não tem uma autorização de utilização no mercado, mas em que a situação do doente assim o justifica. Num terceiro caso, “em situações excecionais, a direção da ADSE pode autorizar a utilização de um determinado medicamento”.

O que mudou, segundo a ministra, foi que o Infarmed informou em agosto os prestadores de serviço de que, para se poder pôr em prática a terceira via de autorização, os pedidos têm de ser feitos através de uma aplicação informática.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Ler mais
  • ADSEADSE limita financiamento a fármacos de cancro

FONTE - Observador

Ler 25 vezes