Social:
segunda, 19 agosto 2019 09:08

Taxa imposta nas bebidas açucaradas fez subir os preços mas não reduziu os hábitos de consumo

Segundo um estudo de dois economistas, o aumento do imposto levou não a uma mudança de hábitos de consumo mas sim ao aumento das vendas antes da entrada em vigor da taxa.

Apesar dos aumentos de preço impostos aos refrigerantes, devido à taxa introduzida pelo Governo em 2017, não foram registadas menos vendas, o que significa que o objetivo da medida, que pretendia incentivar a redução do consumo de bebidas açucaradas, parece não ter sido cumprido.

As conclusões são apresentadas no estudo “Brown Sugar, how come you taste so good?”, citado pelo Jornal de Notícias, com base nas vendas de mais de 400 lojas entre fevereiro de 2015 e janeiro de 2018. Na análise, da autoria dos economistas João Pereira dos Santos e Judite Gonçalves, foi possível verificar que o aumento do imposto levou não a uma mudança de hábitos de consumo mas sim à adoção de medidas de prevenção antes da entrada em vigor da nova taxa: os portugueses optaram por fazer reservas de bebidas açucaradas, como comprova o aumento expressivo das vendas antes da introdução dos novos preços, enquanto estes ainda estavam baixos.

“Os nossos resultados sugerem um comportamento de armazenamento no trimestre quando foi aprovada a taxa e antes de entrar, de facto, em vigor”, indicam os responsáveis, citados pelo Jornal de Notícias. No trimestre anterior à entrada em vigor da medida, as vendas subiram 24%, no caso de bebidas com teor médio de açúcar. No caso de bebidas com alto teor de açúcar, foi registado um aumento de 19%. Os refrigerantes com zero açúcares foram os únicos a registar aumentos significativos de vendas quer durante o período de aprovação, quer quando o imposto entrou em vigor.

João Pereira dos Santos e Judite Gonçalves concluíram ainda que as empresas aproveitaram a taxa introduzida para aumentar o preço das bebidas, acima do valor do imposto. No caso de bebidas em que se verificou alteração da fórmula para diminuir o teor de açúcar abaixo do limite de 80 gramas por litro, foi registado um aumento de 15 cêntimos, em média — a taxa de imposto sobre estes refrigerantes era de apenas 10 cêntimos.

“Em relação às bebidas com baixo teor de açúcar (menos de 70 gramas por litro) os preços aumentaram em média 15-16 cêntimos por litro, o que corresponde novamente a mais do que o valor do imposto” (de 8 cêntimos), garantem os investigadores. No caso de refrigerantes com alto teor de açúcar (mais de 80 gramas por litro) o aumento ficou ligeiramente abaixo dos 16 cêntimos.

FONTE - Observador

Ler 120 vezes