Social:
terça, 16 julho 2019 07:50

Serviço virtual do Centro Hospitalar Universitário de Lisboa arranca com novas valências

Vai passar a ser possível marcar exames, pagar taxas moderadoras e obter declarações através de um portal online. Ministério da Saúde diz que é o balcão virtual "mais desenvolvido do país".

O serviço virtual do Balcão Único de Atendimento (BUA) do Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central (CHULC) entra esta terça-feira em funcionamento para todos os utentes que recorram a uma das seis unidades que o integram.

Estas seis unidades são compostas pelos hospitais de São José, dos Capuchos, de Santa Marta, Curry Cabral, Dona Estefânia e Maternidade Alfredo da Costa, segundo uma nota do Ministério da Saúde.

O Portal do Utente, que é a vertente do BUA na Internet, passa a permitir a marcação de exames, o pagamento de taxas moderadoras e obtenção de declarações de presença em consultas e exames.

Na nota, o Ministério da Saúde afirma que “o BUA do CHULC é o balcão virtual de cuidados hospitalares mais desenvolvido do país” e, “utilizando a ferramenta tecnológica CRM (Customer Relationship Management), o BUA potencia a comunicação entre o CHULC e os seus utentes, dando garantias de uma resposta adequada e atempada.

A funcionar desde setembro de 2016, esta plataforma permitia, até hoje, a marcação de consultas, o pedido de informação clínica e de esclarecimentos.

“O CHULC pretende continuar a desenvolver o CRM e o BUA, de modo a disponibilizar novas funcionalidades, duplicar o número de contactos mensais e atingir os 25 mil utentes registados no portal”, afirma, acrescentando que, ao longo deste ano, já foram geridos pela plataforma 29.250 contactos, entre os quais 15.200 efetuados por telefone e 13.220 por e-mail.

As respostas às solicitações dos utentes foram produzidas dentro dos prazos estabelecidos em 99% dos casos, adianta.

“O BUA é um serviço de comunicação centralizado e personalizado de todos os contactos efetuados por utentes do CHULC, através do portal, do telefone (21 31 36 444), fax (21 31 36 376), chat do portal e email ( Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. ), que, pela modernização do relacionamento com os utentes e a desmaterialização dos processos administrativos, visa dar respostas imediatas, quer pelo próprio balcão, quer por outros serviços para onde os pedidos dos cidadãos são encaminhados”, refere o documento.

Tendo sido objeto de financiamento no âmbito do Programa Operacional Fatores de Competitividade – SAMA, o BUA foi implementado pela área de Gestão de Doentes do CHULC e integra na sua constituição atual uma equipa de profissionais com apoio e formação em técnicas de comunicação e atendimento e formação específica para utilização das ferramentas tecnológicas e informáticas em funcionamento na área administrativa do CHULC.

Em setembro, o Portal do Utente contará com novas funcionalidades, como a possibilidade de impressão de relatórios de exames e análises, o pedido de renovação de medicação ou de transporte. Também será possível a efetivação de consulta e o pagamento automático de taxa moderadora por telemóvel.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

FONTE - Observador

Ler 215 vezes