Social:
sábado, 13 julho 2019 18:40

Lei de bases da saúde. Rui Rio acusa PS de fazer “encenação” ao tentar negociar com o PSD

Líder social-democrata defende que o PS fez uma "encenação" ao tentar negociar a nova lei de bases da saúde com o PSD. E diz que o partido de António Costa está "encostado" ao BE e PCP.

O presidente do PSD, Rui Rio, considera que o anúncio do PS, PCP e Bloco de que haverá um acordo à esquerda para uma nova lei de bases da saúde mostra que o partido de António Costa está “completamente encostado ao Bloco de Esquerda e ao Partido Comunista”. Para Rio, o PS “ainda ensaiou” negociar com o PSD, “mas na prática aquilo foi um teatro”. “Não sei se era uma peça completamente pensada ou só parcialmente pensada. A verdade é que tudo isto foi uma encenação“, defendeu.

À margem de uma festa dos 45 anos da Juventude Social Democrata (JSD), que se realizou este sábado na Trofa, Rui Rio afirmou que o PS queria “era fazer o acordo com a esquerda e fechar completamente o Serviço Nacional de Saúde (SNS)”. “O SNS tem funcionado muito mal”, disse, acrescentando que a nova lei não vai mudar essa situação, “mas dá pistas importantes”. “Quando fecham ou querem fechar completamente [o SNS]  à participação e à complementaridade dos privados e da área social, acho isso muito mal.

A reação surge um dia depois de PS, PCP e BE terem anunciado um acordo para a viabilização da nova lei de bases da saúde, a uma semana das últimas votações em plenário. A regulamentação sobre parcerias público-privadas (PPP) foi adiada por seis meses, segundo anunciou, esta sexta-feira, João Oliveira (PCP).

Nova lei de bases está encaminhada para ser “verdadeiramente progressista”, diz Jerónimo

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, destacou este sábado em Viseu, a resposta a “três questões essenciais” na nova lei de bases da saúde, que, com a ajuda do partido, está no caminho para ser “verdadeiramente progressista”.

“Com a nossa intervenção, abriram-se possibilidades para uma lei de bases de saúde verdadeiramente progressista. Não sendo em todos os aspetos a versão que era necessária, e pela qual o PCP se debate, a proposta que agora irá ser confirmada na Assembleia da República, no próximo dia 19, responde a três questões essenciais”, assumiu.

Jerónimo de Sousa adiantou que “revoga a anterior lei aprovada nos governos de Cavaco Silva, em segundo, revoga a legislação das PPP [Parcerias Público Privadas] de 2002, impedindo a criação de novas PPP e, em terceiro lugar, consagra, na gestão do estabelecimento do SNS [Serviço Nacional de Saúde], o princípio da gestão pública e não o da mera responsabilidade pública”.

“Sabemos que, da parte dos responsáveis em saúde como um negócio, e que querem preservar os interesses dos grupos económicos, que tem na doença dos portugueses uma fonte de lucro, haverá resistências e tentativas para travar e limitar o que agora se torna possível”, avisou.

Neste sentido, assumiu que o PCP “está com os utentes” e “com os trabalhadores do setor a travar batalhas futuras para o impedir [que a doença seja fonte de lucro de grupos económicos]”, uma vez que, no seu entender, “o SNS continua a ser o único e mais seguro porto de abrigo dos direitos de todos os portugueses”.

O SNS, continuou Jerónimo de Sousa, “é o local onde se encontram respostas para o seu direito à saúde, em função de todos os cuidados de saúde que necessitam e a que constitucionalmente têm direito e não apenas como sucede no setor privado, nos tratamentos que estão contratualizados”. Ainda assim, o líder do PCP defendeu que não se pode “esconder que muita coisa não está bem no SNS” e, neste sentido, destacou três questões: “A falta de profissionais, a falta de médicos de família e o atraso nas consultas e nos exames”.

“Independentemente desta nova lei de bases, é importante que estes problemas concretos sejam resolvidos, porque não há alternativa, porque nenhuma boa alma acredita que o setor privado, os grandes grupos económicos, têm alguma preocupação com as doenças dos portugueses? Com a saúde dos portugueses? Eles querem lucro, porque é resultante da sua natureza”, apontou.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

FONTE - Observador

Ler 190 vezes