Social:
segunda, 08 julho 2019 23:17

Bolsonaro diz-se “envergonhado” por Brasil ser o segundo país com mais casos de lepra

O Presidente Brasileiro anunciou medidas para a erradicação da doença durante o seu mandato. De acordo com Bolsonaro, no Brasil, a cada 100 mil pessoas, 1,3 têm lepra,

O Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, declarou esta segunda-feira sentir “vergonha” por o Brasil ser o segundo país com maior número de casos de lepra identificados e anunciou medidas para a erradicação da doença durante o seu mandato.

Foi na presença do embaixador japonês da Boa Vontade da Organização Mundial de Saúde (OMS) para a eliminação da hanseníase (nome como também é designada a Lepra), Yohei Sasakawa, que Bolsonaro alertou para a posição em que o país sul-americano se encontra.

“O Brasil está em segundo lugar do mundo em incidência de hanseníase. É uma vergonha falar isto, mas é a verdade, e tem que ser falada. Agradeço ao doutor Sasakawa por trazer esse problema aqui e nos mostrar o quão atrasado está o Brasil. Confesso que eu não sabia da extensão do problema e, de certa forma, da facilidade do tratamento”, afirmou o chefe de Estado através de uma transmissão em direto no seu perfil na rede social Facebook.

De acordo com Bolsonaro, no Brasil, a cada 100 mil pessoas, 1,3 têm hanseníase, acrescentando que existem “mais de 100 mil” doentes com esta enfermidade crónica e transmissível no país.

“Isto acontece junto das pessoas mais pobres, em estados como o Pará e o Maranhão. (…) As pessoas mais humildes, tendo em vista onde habitam, são mais propensas a esse tipo de doença”, frisou o governante, alertando para que a população esteja atenta aos sintomas, como manchas na pele.

Acompanhado dos seus ministros da Saúde, Luiz Henrique Mandetta; das Relações Exteriores, Ernesto Araújo; e da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, o Presidente brasileiro anunciou medidas para a eliminação da doença, tendo o executivo reforçado que o diagnóstico e tratamento são totalmente custeados pelo Estado.

“Esse Governo não cuida da Hanseníase apenas no Ministério da Saúde. A pasta da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos tem uma coordenação nacional voltada para este tema. (…) Estamos, neste momento, a inaugurar a maior campanha da história do Brasil de combate à hanseníase. Temos o Presidente a liderar a maior campanha. Neste Governo iremos alcançar a erradicação da doença”, prometeu a ministra Damares Alves.

De acordo com a OMS, todos os anos, mais de 200 mil novos casos da doença são detetados em todo o mundo, sendo que Brasil, Índia e Indonésia concentram 80% desse total.

A hanseníase, conhecida no passado como lepra, é uma doença crónica, transmissível por vias áreas superiores, ou seja, tosse ou espirros, e pode afetar pessoas de ambos os sexos e de qualquer idade.

De acordo com o Ministério da Saúde do Brasil, a doença apresenta um longo período de incubação, podendo haver um intervalo, em média, de dois a sete anos, até que os sintomas se manifestem.

A hanseníase provoca alterações na pele e nos nervos periféricos, podendo ocasionar, em alguns casos, lesões neurológicas, o que gera níveis de incapacidade física.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

FONTE - Observador

Ler 106 vezes