Social:
quarta, 26 junho 2019 10:36

GNR detém 13 pessoas em operação de combate à produção ilegal de tabaco em Loulé

Entre os detidos contabilizam-se 12 homens e uma mulher, com idades entre os 30 e os 65 anos, de nacionalidade polaca, ucraniana, romena, russa e portuguesa. Foram constituídos dois arguidos.

Treze pessoas foram detidas na terça-feira na zona de Loulé, distrito de Faro, no âmbito da Operação “DYNAMO”, de combate à comercialização ilegal de tabaco, tendo sido apreendidos 15 milhões de cigarros, anunciou hoje a GNR.

Em comunicado, a GNR adianta ter desencadeado na terça-feira, através do destacamento de Ação Fiscal de Faro, na zona de Loulé, uma operação policial na qual foram detidas 13 pessoas, 12 homens e uma mulher, com idades entre os 30 e os 65 anos, de nacionalidade polaca, ucraniana, romena, russa e portuguesa.

Na operação foi apreendido, segundo a GNR, tabaco suficiente para introduzir no consumo cerca de 46 milhões de cigarros.

A investigação à “organização criminosa internacional que se dedicava à produção e comercialização fraudulenta de tabaco” decorria há ano e meio e levou ao desmantelamento de uma fábrica ilegal de manufaturação de cigarros em larga escala.

Na terça-feira, a GNR deu cumprimento a 14 mandados, dos quais cinco de detenção, sete de busca domiciliária, um de busca à fábrica de manufaturação ilícita de tabaco e um de busca ao armazém utilizado para o depósito da produção ilícita.

A GNR apreendeu cerca de 15 milhões e 600 mil cigarros produzidos na fábrica, cerca de 17 toneladas de folha de tabaco (daria para produzir cerca de 16 milhões e 800 mil cigarros), cerca de 14 toneladas de tabaco triturado (daria para produzir 13 milhões e 750 mil cigarros) e cinco máquinas utilizadas na trituração de folha de tabaco, manufatura e acondicionamento.

Os militares apreenderam ainda matérias-primas diversas utilizadas na produção ilícita, como filtros, colas, boquilhas, tubos para cigarros, cartão de maços, celofane, papel de tabaco e caixas para embalar tabaco, seis viaturas ligeiras e uma arma de fogo.

“Estima-se que a fraude e evasão fiscal, gerada pela produção e comercialização do tabaco produzido na referida fábrica, que tinha como destino o território nacional e países da União Europeia, seja de montante superior a 9 milhões e 600 mil euros”, destaca a GNR.

A operação, que a GNR diz ser inédita em Portugal, culminou com o desmantelamento da primeira infraestrutura de produção massificada de cigarros em Portugal e contou com o apoio da EUROPOL e com a colaboração da Polish Border Guard e da Polish Police.

A operação “DYNAMO” envolveu 100 militares, da Unidade de Ação Fiscal, da Unidade de Intervenção e dos Comandos Territoriais de Beja, Évora, Faro, Portalegre e Santarém.

A GNR adianta ainda que foram constituídos dois arguidos de nacionalidade grega, com 37 e 60 anos, suspeitos de integrarem este grupo criminoso. Um dos detidos tinha um alerta internacional para efeitos de detenção e entrega ou extradição, através do sistema Schengen.

Os detidos serão presentes hoje ao Tribunal de Faro, para 1.º interrogatório judicial e para aplicação de medidas de coação.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

FONTE - Observador

Ler 119 vezes