Social:
sábado, 15 junho 2019 15:00

Ouvir música pode ajudar no alívio das dores dos doentes com cancro

Os doentes disseram que a música ajudou ao seu bem-estar físico e psicológico porque os distanciou dos pensamentos negativos sobre a doença.

Ouvir música em casa pode reduzir a dor e a fadiga dos doentes de cancro e aliviar sintomas como a perda de apetite e dificuldade de concentração, avança um estudo feito em Taiwan.

Mais populares

  • i-album
    Ambiente

    Parlamento aprova multas pesadas para quem deitar beatas para o chão

  • Alterações climáticas

    Altas temperaturas causam degelo recorde na Gronelândia

  • i-album
    Instagram

    LGBT History: das lutas pré-Stonewall ao orgulho além das marchas

Neste, doentes com cancro da mama ouviram meia-hora de música, cinco vezes por semana, e tiveram uma “notável” redução dos efeitos colaterais do das dores ao longo de 24 semanas, avançam os investigadorea ao European Journal of Cancer Care.

Os doentes disseram que a música ajudou ao seu bem-estar físico e psicológico porque os distanciou dos pensamentos negativos sobre a doença. “A musicoterapia é conveniente, não envolve procedimentos invasivos e pode ser facilmente usada pelas pessoas no conforto das suas casas”, declara o autor do estudo, Kuei-Ru Chou, da Taipei Medical University.

Além disso, “intervenções musicais em casa também podem ser usadas sem custo”, acrescentou o autor à Reuters por e-mail. “Actualmente, os serviços de saúde tornaram-se muito caros”, acrescentou.

Os investigadores reuniram 60 doentes com cancro da mama e dividiram-nos aleatoriamente – metade num grupo que ouvia música em casa num MP3 fornecido pela equipa com uma selecção de música que poderiam escolher (clássica, popular e religiosa); e a outra metade também recebeu o mesmo aparelho e as mesmas instruções, no entanto, o som consistia principalmente em sons ambientes. O estudo concluiu que esta última opção faz pouco para reduzir a dor ou os sintomas.

Ouvir música ajuda a produzir endorfinas, dopamina e serotonina no cérebro, essas substâncias químicas podem despertar alegria e emoções positivas que distraem os doentes das emoções negativas, especulam os autores do estudo. Por isso, com base nos resultados, os investigadores querem perceber por que razão e como é que a musicoterapia reduz os sintomas de dor. Contudo alertam que a musicoterapia pode não aliviar a fadiga física e mental a longo prazo.

A música também pode afectar as funções dos sistemas cardiovascular, respiratório, muscular, esquelético, nervoso e metabólico, aliviando a tensão e a dor musculares. Segundo Tereza Alcantara-Silva, da Universidade Federal de Goiás, no Brasil, que não esteve envolvida neste estudo, do ponto de vista neurofisiológico, as emoções evocadas pela música podem modular a actividade em diversas áreas do cérebro.

“A música desempenha um papel importante na auto-regulação de contextos emocionais”, explica a investigadora. “A musicoterapia pode trazer vários benefícios aos doentes com cancro, ajudando-os a encontrar maneiras de lidar com o stress, o medo e a solidão”, termina.

FONTE - Público

Ler 280 vezes