Social:
quinta, 16 maio 2019 13:57

Doentes de hepatite C esperam em média dois meses pelo tratamento

A Direção-Geral da Saúde desconhece os casos de hospitais que, este ano, ainda não deram qualquer tratamento aos doentes de hepatite C. Denúncia dos atrasos foi feita pela SOS Hepatite

A Direção-Geral da Saúde diz que desconhece os casos de hospitais que este ano ainda não deram qualquer tratamento aos doentes de hepatite C, denunciados pela SOS Hepatite.

“Em média, desde que o médico faz o pedido até ao doente iniciar tratamento, decorrem dois meses”, disse à Lusa Isabel Aldir, diretora do Programa Nacional para as Hepatites Virais, sublinhando que este período de espera não compromete o tratamento.

“É um período de tempo perfeitamente aceitável e justifica-se a com a necessidade de se fazer um pedido adequado ao doente, de haver uma compra centralizada por parte dos serviços do Ministério da Saúde, de a medicação chegar ao doente e de este ter disponibilidade com o seu medico para programar a consulta e iniciar o tratamento”, explicou Isabel Aldir.

A responsável falava depois de a SOS Hepatites ter denunciado, na quarta-feira, que há hospitais que ainda não deram este ano qualquer tratamento prescrito para doentes com hepatite C, lembrando que apenas Santa Maria e Egas Moniz distribuem tratamentos em tempo útil.

“Os únicos hospitais que estão a dar tratamentos em 15 dias a um mês são o Santa Maria e o Egas Moniz. Temos atrasos em todos os hospitais do país. Os doentes estão a esperar entre quatro meses a um ano”, disse à agência Lusa Emília Rodrigues, da SOS Hepatites.

Confrontada com estes dados, a responsável pelo Programa Nacional para as Hepatites Virais, da DGS, disse desconhecer tais atrasos, indicando que a informação de que dispõe aponta para mais de 1.400 novos tratamentos aprovados este ano e, destes, praticamente 1.100 doentes já iniciaram tratamento.

“O ritmo de tratamento está a manter-se, nos primeiros anos foi tratado o grande volume de doentes e este ritmo agora é mais lento, mas os doentes continuam a ter acesso à medicação”, afirmou Isabel Aldir.

Quanto ao hospital indicado pela SOS Hepatites como um dos exemplos de unidades que este ano ainda não disponibilizaram qualquer tratamento, a responsável diz que os dados recolhidos indicam que Vila Real pediu durante o ano passado 58 novos tratamentos e, este ano, já pediu 21, nalguns casos já com doentes em tratamento.

“A pecar será sempre por defeito”, frisa a responsável, explicando que a DGS irá ver “com grande detalhe” a situação denunciada pela SOS Hepatites. “Os dados oficias não são concordantes com o que foi reportado (…) Vamos ver com grande detalhe. É uma situação que acompanhamos com grande aproximação e não nos tem sido salientado nenhum desvio em nenhum centro hospitalar que tenha modificado a sua prática de uma altura para a atualidade”, acrescentou.

Quanto à meta definida pela Organização Mundial de Saúde para a erradicação da hepatite C, Isabel Aldir acredita que Portugal, ao ritmo de tratamento que mantém, pode cumprir mesmo antes do ano 2030.

“A grande maioria da população já foi tratada. É necessário continuar a investir em estratégias de micro eliminação para populações muito específicas”, afirmou, dando o exemplo da população prisional e dos consumidores de drogas.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

FONTE - Observador

Ler 154 vezes