Social:
domingo, 12 maio 2019 12:27

Máquinas que mantêm vivo tetraplégico francês vão ser desligadas

Vincent Lambert está em estado vegetativo há uma década. Sofreu um acidente em 2008 e tornou-se um símbolo do debate sobre a eutanásia em França.

As máquinas que mantêm com vida o francês Vincent Lambert, tetraplégico em estado vegetativo há uma década, vão ser desligadas na semana que começa a 20 de Maio, segundo decisão jurídica e médica.

Segundo o advogado dos pais, o médico que segue o caso indicou que as máquinas que ligam Vincent Lambert à vida serão desligadas, apesar de parte da família se ter manifestado contra, enquanto outra parte defende que as máquinas sejam desligadas, tendo já sido desencadeada uma batalha jurídica.

Mais populares

  • Protagonista

    António Sá foi para Trás-os-Montes “ganhar metade, viver o dobro”

  • Função Pública

    Formação gratuita de 200 horas substitui curso pago que dava entrada directa no Estado

  • i-album
    Arquitectura

    De castelo a palácio, esta casa em Águeda conta com um passado ainda presente

Vincent Lambert, um enfermeiro de 42 anos, ficou tetraplégico em 2008 na sequência de um acidente rodoviário, tendo-se tornado um símbolo do debate sobre a eutanásia em França.

A própria família está dividida: pais e uma irmã querem manter Lambert vivo artificialmente, enquanto a sua mulher, cinco irmãos e um sobrinho concordam que as máquinas devem ser desligadas.

Em 2011, os médicos que seguem o caso descartaram por completo qualquer possibilidade de melhorias no estado de Vincent Lambert e em 2014 o seu estado passou a ser classificado como vegetativo.

O Governo francês, que já afirmou que vai responder à ONU, defende que o percurso legal do caso foi esgotado, depois de o Conselho de Estado - a mais alta autoridade administrativa - ter autorizado em Abril a suspensão do tratamento, o que o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos também já aprovou.

Para os advogados dos pais, “não há emergência médica para interromper a alimentação e a hidratação” artificial de Lambert, e “nada justifica tal violação descarada do direito internacional e das medidas provisórias exigidas pela ONU”.

FONTE - Público

Ler 229 vezes