Social:
quinta, 18 abril 2019 14:56

Manifesto recomenda 95% de vacinação contra o sarampo até 2020 na Europa

Um manifesto criado pela Vaccines Europe recomenda 95% de vacinação contra o sarampo. Incentiva as autoridades a aplicar políticas nesse sentido e a criar um Cartão de Vacinação Europeu.

Um manifesto europeu defende a criação de metas de vacinação para a Europa, recomendando uma taxa de 95% da vacina contra o sarampo até 2020, numa altura em que a OMS alerta para o aumento do número de casos.

Dados provisórios da Organização Mundial da Saúde (OMS) revelam um aumento global do número de casos de 300% no primeiro trimestre deste ano face ao mesmo período de 2018, seguindo a tendência dos últimos dois anos.

Este aumento também se verifica em países com elevada cobertura de vacinação contra o sarampo, como Israel, Tailândia, Tunísia e Estados Unidos, onde a cidade de Nova Iorque declarou o estado de emergência de saúde pública devido a um surto que atingiu a comunidade judaica ultraortodoxa.

A OMS alerta que a taxa de cobertura vacinal global está aquém dos 95% necessários para evitar surtos, situando-se em 85% na primeira dose da vacina e em 67% na segunda, o que deixa “muitas pessoas, em muitas comunidades, em risco”.

O manifesto “Europa mais Saudável”, criado pela Vaccines Europe, grupo especializado em vacinas da Federação Europeia da Indústria Farmacêutica, defende que “os líderes da União Europeia têm um papel fundamental a desempenhar nas políticas de vacinação” e, por isso, incentiva as autoridades públicas, conjuntamente com todas as partes interessadas, a aplicá-las.

O documento, apoiado e divulgado esta quinta-feira pela Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica (Apifarma), considera que as vacinas são vítimas do próprio sucesso uma vez que a ausência de doenças graves, devido à eficácia das vacinas, alimentou a perceção errada de que a vacinação deixou de ser necessária.

“Além disso, a multiplicação de notícias falsas, pese embora os altos padrões de qualidade aplicados à produção de vacinas, desafia constantemente as provas sobre a segurança e a eficácia da vacinação”, sublinha o manifesto, que recomenda que se apoiem políticas de vacinação em todas as fases da vida das pessoas, contribuindo assim para a sustentabilidade dos Sistemas de Saúde e para a produtividade da sociedade.

O manifesto propõe também a criação de um Cartão de Vacinação Europeu, com informação normalizada, útil para facilitar a interpretação dos registos de vacinação e assegurar a continuidade da vacinação transfronteiriça.

Um estudo promovido pela Comissão Europeia e divulgado em outubro indicava que 98% dos portugueses consideram as vacinas importantes para a saúde das crianças, 96,6% entendem que são eficazes e mais de 95% dizem que são seguras.

Portugal surge como o país com maior percentagem de população a encarar as vacinas como seguras, eficazes e importantes na infância.

O inquérito, feito nos 28 países da União Europeia a cerca de 29 mil pessoas de uma amostra representativa de cada estado-membro, questionou especificamente a confiança na vacina do sarampo.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

FONTE - Observador

Ler 111 vezes