Social:
quarta, 10 abril 2019 00:23

Governo português admite morte de portugueses por falência de sistema de saúde na Venezuela

"Certamente que haverá entre os óbitos alguns que poderiam ter sido evitados se as condições de saúde fossem melhores", disse o ministro dos Negócios Estrangeiros Augusto Santos Silva.

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, declarou esta terça-feira que o Governo português não tem registo de mortes de cidadãos nacionais em consequência da falência do sistema de saúde na Venezuela, mas admitiu que possam ter ocorrido.

“Não temos registo de óbitos de portugueses que nos tenha sido expressamente comunicado, mas, naturalmente, dada a dimensão da população portuguesa que reside na Venezuela, certamente que haverá entre os óbitos alguns que poderiam ter sido evitados se as condições de saúde fossem melhores”, disse Augusto Santos Silva.

Acompanhado pelo secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, e da secretária de Estado da Saúde, o ministro dos Negócios Estrangeiros assistiu esta terça-feira, em Lisboa, por videoconferência para os consulados de Portugal de Caracas e Valência, à assinatura de Carta Compromisso para a prestação de cuidados de saúde à comunidade portuguesa na Venezuela.

O projeto é financiado pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros e consiste numa parceria com três entidades do movimento associativo luso-venezuelano: Centro Português de Caracas, Associação Civil Amigos de Nossa Senhora de Fátima e Casa Portuguesa do Estado Aragua.

O acesso gratuito a consultas médicas e a realização de alguns exames complementares de diagnóstico são duas das vertentes do projeto, que será acompanhado pela Embaixada de Portugal em Caracas e pelos consulados-gerais na capital venezuelana e em Valência.

Augusto Santos Silva afirmou que, “infelizmente, a situação de saúde na Venezuela degradou-se imenso”. O governante frisou que o executivo nacional tem dado à comunidade portuguesa na Venezuela, estimada em cerca de 300.000 portugueses ou lusodescendentes, “apoio consular, médico e social e sanitário”.

Questionado sobre o custo deste projeto, Augusto Santos Silva disse que “vai custar o que for preciso”, enquanto José Luís Carneiro realçou que, “no conjunto de todos os apoios que o Estado tem disponibilizado, quer em Portugal, quer na Venezuela, já ultrapassa em muito os 20 milhões de euros disponibilizados em apoio às várias necessidades dos portugueses na Venezuela”.

A resposta pode chegar “a várias centenas de portugueses que solicitam o apoio”, que, “para serem beneficiados desse apoio, é necessário que recorram ao movimento associativo português na Venezuela”, podendo também dirigirem-se aos consulados-gerais, adiantou José Luís Carneiro.

No âmbito deste projeto, o Ministério dos Negócios Estrangeiros, em cooperação com o da Saúde, vai continuar a disponibilizar medicamentos a portugueses ou lusodescendentes radicados na Venezuela.

Desde 2017, dois anos depois de a crise social, política e económica ter eclodido na Venezuela, Portugal enviou para este país mais de 600 quilogramas de medicamentos, “através de canal próprio”, entregues “a 447 famílias” até março deste ano.

Os gastos governamentais na Venezuela com a saúde diminuíram neste país, opção que resultou na diminuição de consultas médicas, no recuo da taxa de ocupação das camas hospitalares e em campanhas de vacinação inadequadas.

Em 2013, o Governo venezuelano deixou de divulgar estatísticas de mortalidade e um estudo do Instituto Nacional de Estudos Demográficos da Universidade de Paris Panthéon-Sorbonne revelou que, além de aumento da incidência de doenças infecciosas e parasitárias, a mortalidade infantil cresceu, os doentes não têm acesso a medicação e o estado nutricional das pessoas deteriorou-se.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

FONTE - Observador

Ler 90 vezes