Social:
terça, 09 abril 2019 18:13

O pesadelo das camas extra nos Serviços de Medicina Interna na época de Inverno

Não é possível continuar a esconder este problema sério, todos os anos repetido. São imprescindíveis diretivas nacionais, que garantam a equidade entre os hospitais, com qualidade e segurança no tratamento dos doentes.

Para os internistas portugueses, a carência de camas de internamento para os doentes que delas necessitam e que afluem ao Serviço de Urgência aumenta bastante no Inverno. Começa em dezembro e prolonga-se até ao final de maio. Depois disso, ficamos nos 98% de lotação do costume, sem qualquer capacidade de resposta a um acréscimo do afluxo.

Mais populares

  • Entrevista

    Não faz sentido fazer check-ups anuais

  • Família

    Quase um terço dos jovens deixam de ver o pai depois do divórcio

  • i-album
    Fotografia

    A “paixão e o esforço” das danças de Rabo de Peixe que este ano também abanam o Tremor

A Sociedade Portuguesa de Medicina Interna realizou no dia 18 de fevereiro um inquérito aos Serviços de Medicina Interna, para conhecer em concreto o número de camas extra e de doentes com internamento concluído que tinham à sua responsabilidade nesse dia. Responderam 78 Serviços de Medicina Interna de todo o país, para um total de 103, o que corresponde a 76% de respostas. Todos os Serviços de Medicina Interna tinham taxa de ocupação de 100%, da sua lotação base de 4866 camas.

Verificou-se também que estes serviços tinham à sua responsabilidade mais 2142 camas extra (um aumento de 44%), distribuídas da seguinte forma: 1140 doentes internados noutros serviços do hospital, 841 doentes internados no Serviço de Urgência, e 161 doentes nos Serviços de Medicina Interna, acrescidos à sua lotação.

Esta é a primeira vez que podemos contabilizar este enorme acréscimo de trabalho a que os internistas são submetidos num período nunca inferior a três meses (mais de 44%), que tem de ser contabilizado como produção adicional.

Também é muito revelador o grande número de doentes internados nos Serviços de Urgência (841), que tem sido o grande fator de demissão de muitos chefes de equipa de urgência por todo o país, muitas vezes confrontados com passagens de turno com mais de 100 doentes.

Não é possível continuar a esconder este problema sério, todos os anos repetido. Tem de haver um plano de resposta em cada hospital! Mas, embora possam e devam ser dadas respostas locais, são imprescindíveis diretivas nacionais, que garantam a equidade entre os hospitais, com qualidade e segurança no tratamento dos doentes.

O autor escreve segundo o novo Acordo Ortográfico

FONTE - Público

Ler 75 vezes