Social:
segunda, 25 março 2019 08:20

Mãe em morte cerebral vai dar à luz um bebé no Hospital de São João

Morte cerebral foi declarada um dia depois do Natal. A jovem de 26 anos estava grávida de 12 semanas quando, na sequência de um ataque de asma, perdeu os sentidos. É o segundo caso em Portugal.

Nos próximos dias, uma mãe em morte cerebral deverá dar à luz no Hospital de São João. Catarina Sequeira, 26 anos, estava grávida de 12 semanas quando, na sequência de um ataque de asma, perdeu os sentidos. Foi hospitalizada em Vila Nova de Gaia, mas um dia depois do Natal foi-lhe declarada morte cerebral. A jovem foi transferida para o São João no Porto, onde Salvador, o seu filho, deverá nascer nos próximos dias, um prematuro extremo. A notícia é avançada pelo Correio da Manhã. Este será o segundo caso em Portugal. O primeiro aconteceu em 2016 e a criança nasceu com 32 semanas.

“Vou amar o meu neto e já aceitei que a minha filha morreu. Quero levar o processo até ao fim, por mais doloroso que seja para que possa depois lembrá-la como a menina sorridente que sempre foi”, diz Maria de Fátima Branco, mãe da jovem, citada pelo CM.

Para poder avançar com a decisão de manter a jovem ligada ao suporte de vida, a família de Catarina reuniu-se com a Comissão de Ética daquela unidade de saúde, no Porto. Apesar dos riscos, a família decidiu seguir este caminho.

Não perdi a minha filha; perdi a ilusão de que poderia conservá-la sempre comigo”, sublinha Maria de Fátima que ao longo dos últimos três meses tem visitado regularmente a filha.

“Não vou perder a força que tenho graças à força que a minha filha sempre nos deu e pelo amor que tinha por nós. Tenho cá mais oito [filhos] que também precisam de mim”, diz a mãe da jovem.

Catarina Sequeira tinha asma desde os 13 anos, e era canoísta desde 2005 no Douro Canoa Clube, tendo conquistado 41 medalhas. Maria de Fátima diz que se tivesse de tomar a decisão de novo, tomaria outra e não teria mantido a filha ligada ao suporte de vida.

“Se fosse hoje, tudo tinha acabado naquele dia. Primeiro, porque a minha filha está a ser um suporte de vida; segundo, porque não se sabe como vai nascer o bebé e isto mata-me”, diz Maria de Fátima.

Não é a primeira vez que uma mãe em morte cerebral dá à luz um filho em Portugal. Em 2016, Lourenço Salvador nasceu a 7 de junho, na Maternidade Alfredo da Costa, 15 semanas depois de ter sido declarado o óbito da mãe Sandra.

Lourenço nasceu prematuro, com 2,350 quilos, e foi logo transferido para a Unidade de Cuidados Intensivos Neonatais, na Maternidade Alfredo da Costa. Com quase um mês de idade e mais de três quilos teve alta hospitalar.

O nascimento de Lourenço foi um feito inédito em Portugal e falado um pouco por todo o mundo, dada a raridade do caso. A mãe, Sandra, estava em morte cerebral desde fevereiro, mas a equipa de cuidados intensivos da neurocirurgia do São José, em articulação com a MAC, conseguiu manter a gravidez até às 32 semanas.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

FONTE - Observador

Ler 754 vezes