Social:
quarta, 13 março 2019 18:25

Ministra da Saúde manifesta “grande preocupação” com nova greve dos enfermeiros

Os enfermeiros vão estar em greve total em todo o país, entre os dias 2 e 30 de abril, segundo o pré-aviso divulgado pelo Sindicato Democrático dos Enfermeiros de Portugal (Sindepor).

A Ministra da Saúde disse esta quarta-feira em Abrantes que vê com “grande preocupação” a greve dos enfermeiros agendada para abril, afirmando que “o Serviço Nacional de Saúde tem sido muito causticado com manifestações de protesto”.

“Acho que, independentemente do enorme respeito que todos temos pelo direito ao protesto, pelo direito à greve, há também a necessidade de todos percebermos que os caminhos negociais são caminhos de aproximação mútuos e a persistência em posições extremadas é de facto algo que, em última instância, prejudica os utilizadores dos serviços públicos”, disse Marta Temido em Rossio ao Sul do Tejo, em Abrantes, (Santarém) onde inaugurou com o Primeiro-Ministro, António Costa, a nova Unidade de Saúde Familiar (USF) Beira Tejo.

Os enfermeiros vão estar em greve total entre os dias 2 e 30 de abril, em Portugal continental, nos Açores e na Madeira, segundo o pré-aviso divulgado esta quarta-feira pelo Sindicato Democrático dos Enfermeiros de Portugal (Sindepor). De acordo com o pré-aviso, a greve dos enfermeiros arranca às 8h do dia 2 de abril e terminará às 24h do dia 30.

“Tudo faremos, dentro das nossas limitações, para responder aquilo que são as expectativas da profissão de enfermagem, que muito respeitamos, mas sempre com a nota de que, em última instância, temos um sistema complexo para gerir e que não se pode desequilibrar a favor da satisfação de uma reivindicação única ou da reivindicação de um grupo profissional único”, vincou a ministra reiterando que encara o pré-aviso de greve com “grande preocupação”.

Marta Temido deu ainda conta dos acordos alcançados e das questões que separam as posições do governo e dos enfermeiros, tendo lembrado que até 28 de março “decorre ainda o processo de auscultação pública” relativamente à publicação da nova carreira de enfermagem. “O caminho feito pelo Governo foram as três categorias”, disse, tendo especificado com o “reconhecimento da categoria de especialista, o reconhecimento da categoria de enfermeiro gestor e a adaptação dos conteúdos funcionais”, e dando conta que a divergência se situa no nível de entrada na carreira de enfermagem.

Aquilo que não conseguimos satisfazer foi a pretensão de que o nível de entrada na carreira de enfermagem fosse o 23, ou seja, qualquer coisa como 1.600 euros, e também não é a sede própria para discutir as condições específicas das aposentações”, concluiu.

A greve agendada para entre 2 e 30 de abril decorre sob a forma de paralisação total do trabalho, “abrangendo todos os turnos que comportam as 24 horas dos dias anunciados de forma ininterrupta”, pode ler-se no pré-aviso publicado na imprensa e que refere que será assegurada a prestação “dos serviços mínimos indispensáveis para ocorrer à satisfação de ‘necessidades sociais impreteríveis'”.

O Sindepor, na justificação dos motivos da greve, exige a continuidade das rondas negociais respeitantes ao diploma legal da carreira especial de enfermagem, a revisão/restruturação da carreira, que o diploma legal seja aplicado a todas as instituições do setor público e “a todos os enfermeiros que nelas exercem, independentemente da tipologia do contrato”, entre outros pontos.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

FONTE - Observador

Ler 191 vezes