Social:
terça, 12 março 2019 17:36

Contaminação do ar causa o dobro das mortes anteriormente estimadas: 8,8 milhões

A contaminação do ar causa mais mortes por ano, a nível mundial, do que o tabaco. Estudo sugere que causa mais mortes relacionadas com problemas cardiovasculares do que respiratórios.

A contaminação atmosférica pode ter causado cerca de 8,8 milhões de mortes em todo o mundo em 2015, quase o dobro do que se calculava até agora, revela um estudo publicado esta terça-feira. A investigação, publicada no European Heart Journal, foi desenvolvida pelo Instituto Max-Plank de Química e a Universidade Médica de Mainz (ambos na Alemanha).

Mais populares

  • Vacinas

    “Sem vacinas, não há escola”: acabou o ultimato para os pais italianos vacinarem os filhos

  • Sou menos mulher por não querer ter filhos? – Megafone de Joana Costa

  • i-album
    Exposição

    Do telégrafo ao telemóvel, o design é um Sinal dos tempos

Os peritos constataram que ocorreram 790.000 mortes adicionais em toda a Europa e 659.000 na União Europeia (UE) durante 2015, cerca do dobro dos números estimados anteriormente.

Destes totais, entre 40% e 80% referem-se a doenças cardiovasculares, como ataques ou paragens cardíacas, o que sugere que a poluição ambiental causou o dobro de mortes associadas a esta causa do que por doenças respiratórias.

“Por exemplo, isto significa que a contaminação do ar causa mais mortes extra por ano do que o tabaco, que segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), foi responsável por 7,2 milhões de mortes adicionais em 2015. Fumar é evitável, mas a contaminação do ar não é”, recordou em comunicado o co-autor do estudo Thomas Munzel, da Universidade de Mainz.

Na Europa, explicou, o número de mortes extra provocadas por doenças cardiovasculares também é muito mais alto do que o esperado, com quase 800.000 em 2015, o que representa ainda uma redução média de mais de dois anos na esperança de vida.

Para o trabalho, os especialistas, em colaboração com o Instituto Nicósia, de Chipre, recorreram a um modelo de dados que simula a forma como certos processos químicos atmosféricos interagem com a terra e o mar, bem como o impacto de químicos procedentes de actividades humanas, como a indústria, o tráfico ou a agricultura.

Assim, introduziram neste modelo de exposição global dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) relacionados com densidade de população, localização geográfica, idades, factores de risco para várias doenças e causas de mortalidade.

Em concreto, centraram a atenção nos níveis de poluição de partículas finas conhecidas como “matéria particulada”.

Em países do leste da Europa, como a Bulgária, a Croácia, a Roménia e a Ucrânia aumentou ainda mais, com mais de 200 mortes extra por ano por cada 100.000 habitantes, destacaram os cientistas.

“O elevado número de mortes causadas pela poluição do ar na Europa explica-se pela combinação da pobre qualidade do ar e a densidade da população, pelo que a exposição se encontra entre as mais altas do mundo”, sublinhou Jos Lelieveld, do Instituto Max-Plank e o Instituto de Nicósia.

O perito precisou que a contaminação ambiental no leste do continente é muito maior do que no oeste, apesar de a diferença entre as taxas de mortalidade e de esperança de vida poder dever-se à qualidade dos serviços de saúde.

Neste sentido, instaram as autoridades nacionais e internacionais a tomarem medidas urgentes para atacar este problema, através, por exemplo, de uma revisão da legislação vigente sobre a qualidade do ar e os limites fixados para os níveis de contaminação, em linha com as recomendações da OMS.

FONTE - Público

Ler 119 vezes