Social:
quinta, 14 fevereiro 2019 06:15

Consultas nos centros de saúde e nos hospitais aumentaram em 2018

Voltaram a aumentar as cirurgias feitas em ambulatório. Entre 2017 e 2018 os atendimentos em urgência nos hospitais do SNS subiram 0,8%. Média diária de casos atendidos é superior a 17 mil.

Os centros de saúde fizeram no ano passado mais cerca de 370 mil consultas nos cuidados primários do que em 2017, representando uma subida de 1,2%, segundo dados oficiais. Números da Administração Central do Sistema de Saúde fornecidos à agência Lusa mostram que foram feitas em 2018 mais de 31 milhões de consultas médicas nos centros de saúde e unidades de saúde familiares.

Os números, ainda provisórios, do Ministério da Saúde apontam também para mais consultas realizadas nos hospitais públicos e para uma ligeira redução do número de cirurgias em 2018, ano em que decorreu a primeira greve dos enfermeiros em blocos operatórios. No que respeita aos cuidados primários, o número de consultas médicas ultrapassou os 31 milhões pela primeira vez desde 2013.

Nos seis anos analisados, 2018 foi o ano com maior número de consultas nos centros de saúde e 2014 foi o ano com número mais reduzido. Aumentaram também no ano passado as consultas de enfermagem, atingindo um total superior a 19 milhões, um acréscimo de 1,5% em relação a 2017.

Um ligeiro crescimento do número de consultas no SNS foi registado também nos hospitais, com uma variação de 0,8% entre 2017 e 2018, ano em que se fizeram mais de 12,1 milhões de consultas hospitalares. A variação nas primeiras consultas foi de apenas 0,5%, sendo de 0,9% nas consultas subsequentes, quando comparados valores entre 2017 e 2018.

No caso das cirurgias, os hospitais do SNS registaram no ano passado uma redução de 0,5%, como a própria ministra da Saúde já tinha anunciado na semana passada no parlamento. Assim, em 2018 os hospitais do SNS realizaram 670.455 cirurgias, quase menos quatro mil do que no ano anterior.

Na semana passada, a ministra Marta Temido tinha destacado na comissão parlamentar de Saúde que as cirurgias tiveram “apenas uma contração de 0,5%”, isto num ano “particularmente difícil”.

A ministra não aludiu diretamente à greve dos enfermeiros em blocos operatórios, mas no final de 2018, entre 22 de novembro e final de dezembro, os enfermeiros estiveram em greve às cirurgias programadas em cinco hospitais público.

Segundo os dados do próprio Ministério da Saúde, a primeira greve cirúrgica levou ao cancelamento ou adiamento de mais de 7.500 cirurgias naqueles cinco hospitais.

Na análise aos dados assistenciais dos hospitais referentes a 2018, volta a haver um incremento da percentagem de cirurgias realizadas em ambulatório, que já ultrapassam os 65%, tendo registado um aumento de dois pontos percentuais face ao ano anterior.

A percentagem de cirurgias feitas sem necessidade de internamento tem vindo sempre a aumentar desde 2013, passando de 55,9% do total de cirurgias nesse ano para 65,5% em 2018.

Número de urgências nos hospitais com subida ligeira em 2018

O número de urgências hospitalares registou uma subida ligeira no ano passado, com mais de 6,36 milhões de atendimentos, depois de ter registado uma redução em 2017, segundo números do Ministério da Saúde. Os dados da Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS) mostram que entre 2017 e 2018 os atendimentos em urgência nos hospitais do SNS subiram 0,8%, correspondendo a um acréscimo de cerca de 48 mil episódios.

Segundo os números fornecidos à agência Lusa, no total os hospitais públicos receberam no ano passado cerca de 6.366.000 episódios de urgência, o que dá uma média diária superior a 17 mil casos atendidos.

Em 2017, o número de episódios de urgência tinha registado uma redução de 1,4% quando comparado com 2016, indo no sentido dos objetivos traçados pelo então ministro Adalberto Campos Fernandes, que definia, contudo, uma diminuição das urgências mais ambiciosa e que não se concretizou.

Aliás, no relatório do acesso aos cuidados de saúde no SNS de 2017, o Ministério traçava o objetivo de ir reduzindo a atividade dos serviços de urgência e de redirecionar os utentes para cuidados programados de proximidade.

Numa análise temporal mais alargada, de nove anos, 2018 surge como o quarto ano com maior número de urgências registadas, a par com 2010, 2011 e 2016. De 2010 a 2018, o SNS registou anualmente quase sempre mais do que seis milhões de episódios de urgência, com exceção de 2012, em que se ficou nos 5,93 milhões.

Abusos na Igreja

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. ou, pessoalmente, para Sónia Simões ( Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. ) ou para João Francisco Gomes ( Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. );
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

FONTE - Observador

Ler 56 vezes