Social:
segunda, 21 janeiro 2019 06:06

Jaime Gama é consultor de empresa de produção e distribuição de cannabis medicinal

A partir de Fevereiro, os médicos em Portugal deverão poder prescrever derivados daquela planta para fins medicinais.

O antigo presidente da Assembleia da República que foi também ministro em vários governos socialistas, Jaime Gama, faz parte do conselho consultivo internacional da Tilray, uma empresa que se dedica à pesquisa, cultivo, produção e distribuição de cannabis medicinal e canabinóides. O recrutamento foi anunciado em Dezembro.

Mais populares

  • Seixal

    PSP abre inquérito à denúncia de violência policial no Bairro da Jamaica

  • i-album
    Vida nocturna

    Discotecas da década de 80 que apenas sobrevivem na memória

  • i-album
    Ilustração

    Um dia sem smartphone: Tomás desenhou o que se vê atrás do ecrã

"A Tilray convidou-me para integrar o seu conselho consultivo internacional, a par de muitas outras individualidades internacionais, e aceitei. Trata-se de uma empresa que exerce actividade autorizada em Portugal e certamente aprecia ter em conta a opinião de quem integrou um governo (1995-2002) pioneiro de novas políticas para debelar a toxicodependência, hoje internacionalmente reconhecidas pelos seus resultados positivos”, explicou Jaime Gama.

Na mesma resposta enviada ao PÚBLICO, o ex-governante garante “total independência”: “Dada a dimensão e a exigência desse debate, com base em critérios de ordem ética e científica, e sempre no acatamento de um quadro jurídico nacional e internacional, aceitei esse desafio, para o qual contribuirei com total independência de avaliação.”

CANNABIS

O também presidente do conselho de administração da Fundação Francisco Manuel dos Santos e do Novo Banco dos Açores fazia parte do executivo liderado por António Guterres, quando se aprovou, em Portugal, a descriminalização do consumo de drogas – nesse governo foi ministro de Estado e ministro dos Negócios Estrangeiros.

Em Portugal, o uso terapêutico da cannabis foi aprovado no Parlamento em Junho, tendo a regulamentação para a utilização de medicamentos, preparações e substâncias à base de cannabis sido publicada em Diário da República na terça-feira (15 de Janeiro de 2019). A partir de Fevereiro, os médicos em Portugal deverão poder prescrever derivados daquela planta para fins medicinais. Pelo caminho, para já, ficou a legalização, em Portugal, da cannabis para uso recreativo, depois de, na sexta-feira, ter sido chumbada no Parlamento.

Fazem ainda parte daquele conselho consultivo internacional Howard Dean (médico e ex-governador do Vermont, entre outros cargos), Michael Steele (foi o primeiro afro-americano a liderar o Partido Republicano), Lloyd Axworthy (presidente do Conselho Mundial de Refugiados), Joschka Fischer (ex-ministro dos Negócios Estrangeiros alemão), Alexander John Gosse Downer (ex-ministro dos Negócios Estrangeiros na Austrália), Donald McKinnon (ex-ministro dos Negócios Estrangeiros da Nova Zelândia, entre outros cargos), María Lorena Gutiérrez Botero (ex-ministra do Comércio, Indústria e Turismo da Colômbia, entre outros cargos), James O’Brien (vice-presidente do Grupo Albright Stonebridge, entre outras funções já desempenhadas) e Lorna Marsden (ex-senadora canadiana).

Portugal tem duas plantações de ópio e uma de cannabis e há mais dois projectos em espera

De acordo com um comunicado de imprensa, a Tilray opera em 12 países dos cinco continentes, servindo dezenas de milhares de pacientes.

Em Agosto, a Tilray já tinha anunciado, também através de um comunicado, um investimento de “cerca de 20 milhões de euros até 2020 em Cantanhede, numa unidade de produção de cannabis medicinal que servirá para abastecer o mercado europeu”. Para tal, abriu um processo de recrutamento para a contratação de 100 colaboradores para aquela unidade.

FONTE - Público

Ler 232 vezes