Social:
sábado, 19 janeiro 2019 06:10

CDS acusa Governo de “insensibilidade” no sector da saúde

Assunção Cristas estará no encerramento da iniciativa “Pela sua saúde”.

A deputada centrista Isabel Galriça Neto acusa o Governo de "insensibilidade" em relação aos problemas que afectam o Serviço Nacional de Saúde (SNS) e o sector. As declarações foram feitas ao PÚBLICO na véspera da conferência “Pela sua saúde”, promovida, no sábado de manhã, pelo CDS na sede nacional do partido.

Mais populares

  • PCP

    PCP acusa a TVI de “anticomunismo” e rejeita favorecimento a genro de Jerónimo de Sousa

  • Livros

    Feminismo negro em Portugal: falta contar-nos

  • i-album
    Exposição

    Hikari: um mergulho no espaço “íntimo”, “insólito” e “proibido” do Japão

“Na primeira parte [da conferência], vamos evidenciar como a saúde tem sido uma prioridade para nós. Lamentavelmente, tem sido das áreas mais mal tratadas pelo Governo, com muitos casos graves, e estamos a ver o desabar do SNS. Vamos dar conta desta nossa preocupação central”, diz a deputada.

Lembrando que este é um “Governo de esquerda”, Isabel Galriça Neto acusa o executivo de “desinvestimento” e de provocar o “descontentamento de grupos de profissionais” no sector. Aponta “culpas” a todos os partidos que fazem parte da solução governativa (PS, PCP, BE e PEV), fala “num jogo de teatro”, numa “dissonância perigosa” do executivo por “desvalorizar a saúde” e mostrar “insensibilidade relativamente a uma realidade tão dramática”.

Na segunda parte, será abordada a Lei de Bases da Saúde: “Não se crie a ideia de que uma eventual aprovação da Lei de Bases possa resolver problemas de emergência. É preciso tomar medidas agora para melhorar o SNS e saúde dos portugueses”, diz a também médica.

A conferência começa às 10h15 com as centristas Ana Rita Bessa e Isabel Galriça Neto no painel “A realidade da saúde dos portugueses nos últimos anos”. Segue-se “SNS, Serviço ou Sistema Nacional de Saúde: a propósito da nova Lei de Bases”, com Germano de Sousa (do grupo de cidadãos que apresentou dez princípios orientadores para uma Lei de Bases da Saúde) e Manuel Caldas de Almeida, pela União das Misericórdias Portuguesas. A líder centrista, Assunção Cristas, fará a intervenção de encerramento.

FONTE - Público

Ler 303 vezes