Imprimir esta página
sexta, 18 janeiro 2019 11:56

Ministra da Saúde afasta riscos para unidades de cuidados continuados

Marta Temido diz que os cuidados continuados são uma "aposta" e que "exigem um grande desenvolvimento e forte investimento" apesar da dívida de 6,4 milhões de euros à respetiva associação.

A ministra da Saúde, Marta Temido, rejeitou esta sexta-feira, em Coimbra, que os acordos com as unidades de cuidados continuados de saúde estejam em risco, depois de ter sido divulgada uma dívida de 6,4 milhões de euros.

De forma nenhuma, os cuidados continuados correspondem a uma aposta da atual legislatura, que já vinha de trás, que exigem um grande desenvolvimento e forte investimento, na medida em que são estruturas recentes”, disse a governante aos jornalistas.

A Associação Nacional de Cuidados Continuados reivindica 6,4 milhões de euros ao Estado por dívidas relativas aos aumentos contratualizados de 2017 e 2018, noticiou o Jornal de Notícias esta sexta-feira.

À margem do encontro “Liderança e Governação Clínica – Um compromisso com o SNS”, promovido pelo Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, Marta Temido disse que o Governo está apostado no “desenvolvimento dessas estruturas na capacidade de resposta de camas e outras áreas de prestação e isso envolve algumas dificuldades e tempo”. “Temos de fazer o caminho de superar essas situações que causam constrangimentos no terreno, mas isso é algo que estamos apostados em fazer”, sublinhou a ministra.

A governante não confirmou o valor da dívida, mas disse que as situações de “estrangulamento são para resolver”, salientando que a situação [financeira] do Serviço Nacional de Saúde tem levado a “alguns constrangimentos”.

[O fecho de algumas unidades] seria totalmente indesejável e tenho a certeza de que isso não irá acontecer, porque estamos cá para responder por problemas que possam existir e por respostas que precisamos e com as quais contamos”, frisou.

A 27 de dezembro, a Associação Nacional de Cuidados Continuados anunciou uma providência cautelar contra o Estado português, acusando os Ministérios da Saúde e da Segurança Social de não cumprirem com os acordos de cooperação, colocando o setor em risco.

Em declarações à agência Lusa, o presidente da Associação Nacional de Cuidados Continuados (ANCC) explicou que a opção pelo recurso à justiça teve a ver com o facto de a associação, criada no ano passado para representar o setor, sentir “um total abandono e desprezo” por parte do Governo.

Em causa, de acordo com José Bourdain, está o facto de a associação não conseguir ser recebida ou ouvida pelos Ministérios da Saúde ou da Segurança Social, bem como pelo primeiro-ministro — aos quais enviaram três cartas a cada a pedir reunião — além do não cumprimento dos acordos de cooperação assinados em 2017 e 2018.

À entrada para o encontro “Liderança e Governação Clínica – Um compromisso com o SNS”, a ministra da Saúde foi também confrontada com um pequeno protesto do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP), tendo dialogado com o seu coordenador regional, Paulo Anacleto.

Na curta conversa, Marta Temido salientou que o “caminho de aproximação” entre o Governo e as posições dos enfermeiros “vai ser sempre prosseguido”.

“Neste momento, está-se a tentar concluir uma negociação sobre um conjunto de temas”, disse a governante, que ouviu o representante regional do SEP apelar ao Ministério “para não fechar portas para concluir coisas que estão pendentes, sob pena de manter e agravar injustiças tremendas a esta classe que tanto dá ao SNS”.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

FONTE - Observador

Ler 51 vezes