Social:
quarta, 16 janeiro 2019 16:28

Centro Hospitalar Lisboa Norte teve 800 cirurgias adiadas durante greve cirúrgica

Mais de 800 cirurgias foram adiadas, tendo havido uma perda 1,8 milhões de euros, durante a greve dos enfermeiros em blocos operatórios. Ainda assim, a greve ter menor impacto do que o esperado.

A administração do Centro Hospitalar Lisboa Norte anunciou esta quarta-feira que a greve dos enfermeiros em blocos operatórios teve menor impacto do que antecipado, contabilizando ainda assim mais de 800 cirurgias adiadas e 1,8 milhões de euros de perdas.

Carlos Martins, administrador do Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte (CHLN), que integra o hospital Santa Maria e o hospital Pulido Valente, foi quarta-feira ouvido na comissão parlamentar de Saúde sobre os efeitos da greve dos enfermeiros que decorreu entre 22 de novembro e 31 de dezembro passado em blocos cirúrgicos. O administrador chegou a estimar que fossem canceladas cerca de 1.500 cirurgias nesse período, mas indicou aos deputados que afinal ficaram por realizar 816.

Das 1.450 cirurgias agendadas para o período de greve, foram realizadas 634, o que aponta para uma “perda de produção” de 56%. Só 13 das 30 salas de cirurgia programada estiveram ativas no período de greve.

As 816 cirurgias adiadas durante a greve cirúrgica correspondem a mais de metade das 1.460 cirurgias que foram adidas com os 62 dias de greves totais ou parciais que houve naquele centro hospitalar durante todo o ano de 2018, o que corresponde a duas semanas de atividade em situação normal. Das operações adiadas, 46% dos doentes já têm nova data para realizar a cirurgia e outros 30% terão datas marcadas até fim do mês.

Num comentário aos dados que apresentou aos deputados, Carlos Martins reconheceu que a greve dos enfermeiros teve impacto, embora mais reduzido do que as previsões iniciais, rejeitando casos de situações emergentes naquele centro hospitalar que não tenham sido atendidas.

“Portanto, a greve teve impacto, ponto final, parágrafo; impacto no acesso e equidade do cidadão. Mas não teve impacto no acesso em situação emergente”, declarou o administrador do Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte.

A área pediátrica foi a que maior impacto sentiu, segundo Carlos Martins, adiantando que ainda assim foram operadas 102 crianças no período de greve. Em termos financeiros, a greve terá tido um impacto de pelo menos de 1,8 milhões de euros só em perda de proveitos.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

FONTE - Observador

Ler 56 vezes