Social:
quarta, 16 janeiro 2019 17:09

Costa diz que há condições políticas à esquerda para aprovar lei de bases da saúde

O PM diz que há condições políticas entre a maioria parlamentar de esquerda para aprovar uma nova lei de bases da saúde, clarificando de vez as relações entre os setores público, social e privado.

O primeiro-ministro considerou, esta terça-feira, que há condições políticas entre as forças da maioria parlamentar de esquerda para aprovar uma nova lei de bases da saúde, clarificando de vez as relações entre os setores público, social e privado.

Estas posições foram defendidas por António Costa no seu discurso final num almoço promovido em parceria entre a Associação 25 de Abril e a revista “Ânimo”, do artista plástico e antigo jornalista e assessor de imprensa do Grupo Parlamentar do PS António Colaço.

Na perspetiva de António Costa, a lei de bases da saúde aprovada na década de 90 “foi a primeira porta que se abriu ao desvirtuamento do Serviço Nacional de Saúde”, após o fundador do PS António Arnaut ter criado o SNS em 1978.

“Ainda bem que há vários projetos em discussão na Assembleia da República e, por certo, na fase de especialidade, irão todos contribuir para termos uma solução final que seja positiva. A minha convicção é que a atual maioria tem todas as condições políticas para conseguir aprovar uma lei de bases da saúde que permita fazer aquilo que é essencial”, sustentou o primeiro-ministro.

O líder do executivo especificou a seguir que “é essencial centrar a saúde nas pessoas, assegurar que há um sistema de saúde adequado à dinâmica demográfica (com a necessidade de responder cada vez mais aos cuidados continuados), aproveitar plenamente a inovação científica, mas que, em simultâneo, permita uma clarificação definitiva das relações entre o setor público, social e privado”.

“Todos têm o seu espaço, mas é preciso definir bem o espaço de cada um. Tal como se clarificou logo no início desta legislatura, com o debate sobre os contratos de associação, qual o papel do ensino privado, também os serviços privados de saúde devem ser subsidiários e não concorrentes do SNS, que deve ser público e assegurada pelos estabelecimentos e serviços públicos”, vincou.

Logo a seguir, António Costa destacou a importância do papel da medicina privada em Portugal e defendeu uma perspetiva de liberdade no recurso dos cidadãos que pretendam recorrer ao privado.

“Mas impõe-se pôr termo à drenagem dos recursos do SNS para o setor privado. Isso deve ser clarificado. A proposta do Governo clarifica precisamente isso”, acrescentou.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

FONTE - Observador

Ler 128 vezes