Social:
quinta, 27 dezembro 2018 18:26

Doou sangue durante 60 anos e salvou a vida de 2,4 milhões de bebés

Ao longo de 60 anos, James Harrison fez doações de sangue na Austrália quase todas as semanas. Com isto, já ajudou 2,4 milhões de bebés a nascer saudáveis. Agora, chega feliz à idade da "reforma".

James Harrison possui um tipo de sangue raro, que produz um anticorpo capaz de prevenir a doença de Rhesus. Esta trata-se de uma patologia que pode causar a morte do bebé durante a gravidez ou após o parto, devido a anticorpos presentes no sangue da mulher que destroem as células de sangue do seu bebé.

Conhecido pela alcunha “Homem do Braço de Ouro”, Harrison doou sangue durante 60 anos, praticamente todas as semanas. Durante esse tempo, foram cerca de 2,4 milhões de bebés a quem salvou a vida. Agora, aos 81 anos, acaba de ultrapassar a data limite para doar sangue, tendo sido obrigado a “reformar-se” das doações.

Aos 14 anos, Harrison foi submetido a uma cirurgia, na qual foram feitas transfusões de sangue essenciais à sua sobrevivência. Terão sido estas trocas que deram origem ao anticorpo “salva-vidas” de Harrison. E porque as transfusões lhe salvaram a vida, Harrison quis fazer o mesmo. A partir do momento em que o seu tipo de sangue “mágico” foi descoberto, cientistas australianos passaram a fabricar uma vacina administrada em grávidas ou em recém-nascidos como forma de prevenção da doença de Rhesus.

Cada bolsa de sangue é preciosa, mas o sangue de James é particularmente extraordinário. O seu sangue é usado sob a forma de uma medicação salva-vidas, dada às mães cujo sangue põe em risco os seus fetos. E mais de 17% das mulheres na Austrália estão em risco, por isso James já ajudou a salvar muitas vidas”, disse Jemma Falkenmire, da Cruz Vermelha Australiana, à CNN

Jemma Falkenmire acrescentou que a Austrália foi um dos primeiros países a descobrir um dador de sangue com este anticorpo, facto que considera revolucionário. Agora, Harrison é visto como um herói nacional, tendo já recebido inúmeros prémios pela sua generosidade, incluindo a Medalha da Ordem da Austrália — uma das mais prestigiadas honras do país. Confessa que este seja talvez o seu único talento e apela a que outros com este tipo raro de sangue se cheguem à frente e o façam com a mesma boa vontade que ele fez.

Agora que 2018 está a terminar...

...é bom recordar que há cinco anos ainda não havia Observador. Quando olhamos para o caminho que percorremos desde maio de 2014 sabemos que ele não teria sido possível sem o que trouxemos de novo ao jornalismo português por não termos tido medo de ser diferentes para fazer a diferença, tal como não teria sido possível sem a nossa imensa comunidade de leitores. Todos os dias, 24 horas por dia.

É um caminho que queremos continuar a percorrer com independência e irreverência, um caminho que só podemos percorrer se contarmos com o apoio dos nossos leitores. As nossas receitas de publicidade são muito importantes, mas concorremos com gigantes mundiais. Não são esses gigantes que vos dão o jornalismo de que gostam e de que o país precisa – esse só pode ser produzido por equipas como a do Observador. Isso tem um preço, mas que é o preço da liberdade – da sua liberdade. E do seu gosto pela qualidade, daí o nosso programa de assinaturas Premium.

Está ainda a tempo de aproveitar a promoção de final de ano. Não perca tempo – agora que 2018 está a terminar, seja também um Observador Premium.

FONTE - Observador

Ler 441 vezes