Social:
quinta, 27 dezembro 2018 07:10

Sindicatos dos Enfermeiros confirmam marcação de nova “greve cirúrgica”

Os sindicatos dos enfermeiros anunciaram nova greve dos blocos operatórios. A paralisação vai envolver 7 centros hospitalares, terá início a 14 de janeiro de 2019 e termina a 28 de fevereiro.

O Sindicato Democrático dos Enfermeiros de Portugal (Sindepor) e a Associação Sindical Portuguesa dos Enfermeiros (ASPE) delinearam uma nova greve nos blocos operatórios com início a 14 de janeiro de 2019 e fim previsto para 28 de fevereiro. A nova paralisação que vai durar cerca de um mês e meio abrangerá sete unidades hospitalares, mas pode ser vir a ser suspensa caso haja acordo com o governo.

Além dos Centros Hospitalares Universitários do Porto e  S. João, que estão em greve até ao final do ano, a nova paralisação irá envolver o Centro Hospitalar entre Douro e Vouga, Centro Hospitalar Gaia/Espinho, Centro Hospitalar Tondela/Viseu, Hospital de Braga e mais a sul o Hospital Garcia de Orta.

O anúncio foi feito esta quarta-feira e o presidente do Sindepor, Carlos Ramalho, defendeu que “não foi uma decisão fácil” escolher os locais de paralisação, mas assegura “não se pretende desgastar a mesma população das mesmas regiões”, em declarações à TSF.

Não foi uma decisão fácil escolher os locais porque, neste momento, os enfermeiros estão de tal forma motivados e a quererem continuar os processos de luta que havia muitas mais instituições onde os enfermeiros pretendiam ter entrado”, explica Carlos Ramalho, presidente do Sindepor.

Ainda assim a greve pode vir a ser suspensa caso o Governo e os sindicatos entrem em acordo na reunião agendada para o próximo dia 3 de janeiro. Os sindicatos vão reunir com a equipa liderada pela ministra da Saúde, Marta Temido, por forma a encontrar soluções para as carreiras dos enfermeiros.

Agora que 2018 está a terminar...

...é bom recordar que há cinco anos ainda não havia Observador. Quando olhamos para o caminho que percorremos desde maio de 2014 sabemos que ele não teria sido possível sem o que trouxemos de novo ao jornalismo português por não termos tido medo de ser diferentes para fazer a diferença, tal como não teria sido possível sem a nossa imensa comunidade de leitores. Todos os dias, 24 horas por dia.

É um caminho que queremos continuar a percorrer com independência e irreverência, um caminho que só podemos percorrer se contarmos com o apoio dos nossos leitores. As nossas receitas de publicidade são muito importantes, mas concorremos com gigantes mundiais. Não são esses gigantes que vos dão o jornalismo de que gostam e de que o país precisa – esse só pode ser produzido por equipas como a do Observador. Isso tem um preço, mas que é o preço da liberdade – da sua liberdade. E do seu gosto pela qualidade, daí o nosso programa de assinaturas Premium.

Está ainda a tempo de aproveitar a promoção de final de ano. Não perca tempo – agora que 2018 está a terminar, seja também um Observador Premium.

FONTE - Observador

Ler 358 vezes