Social:
quinta, 27 dezembro 2018 08:13

Médicos podem cancelar consultas se sistema informático falhar

Sindicatos estão a recomendar a médicos que cancelem consultas sempre que surjam falhas no sistema informático que lhes dá acesso ao historial do paciente ou à prescrição de exames ou consultas.

Os médicos estão a ser aconselhados a cancelar consultas quando o sistema informático apresentar falhas para tarefas como aceder ao registo clínico do paciente ou prescrever exames ou medicamentos, noticia o Público na sua edição desta quinta-feira. A recomendação tem sido feita pelos sindicatos com o argumento de que essas falhas condicionam o nível de acesso a informação vital para o especialista e consequente decisão.

Tratando-se de falha informática que impeça a consulta do processo prévio do doente, existe um considerável aumento do risco profissional, na medida em que potencia a ocorrência de situações de erro médico”, alerta a Federação Nacional dos Médicos (Fnam).

O tema estará na agenda da reunião marcada para esta quinta-feira entre a federação e o presidente dos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS), entidade responsável pela gestão do sistema informático do Serviço Nacional de Saúde. Em causa, explicam, está o facte de o sistema informático que dá apoio aos médicos estar a falhar “com frequência”. Por isso, e não havendo as “ferramentas indispensáveis” que permitam fazer o diagnóstico ou definir o tratamento adequado, “deve o médico remarcar a consulta dentro das disponibilidades das marcações já efetuadas”, recomendam.

O mesmo tinha sido proposto pelo Sindicato Independente dos Médicos (SIM) numa nota divulgada no início de dezembro. “Não deverão ser realizadas consultas médicas perante falha do sistema informático ou impossibilidade de registo informático.” Uma decisão que pode obrigar um universo considerável de pacientes a novas deslocações a centros médicos ou hospitalares e consequente aumento das listas de espera para consultas ou exames.

Para os responsáveis sindicais, esta é também uma forma de alertar para “a situação dramática que se vive no Serviço Nacional de Saúde” e para o risco de maus diagnósticos por parte dos médicos. É também um aviso para os profissionais: “Estamos a alertar os médicos: se não denunciarem as condições precárias que vivem podem ser responsabilizados em caso de problema”, reforçam.

Agora que 2018 está a terminar...

...é bom recordar que há cinco anos ainda não havia Observador. Quando olhamos para o caminho que percorremos desde maio de 2014 sabemos que ele não teria sido possível sem o que trouxemos de novo ao jornalismo português por não termos tido medo de ser diferentes para fazer a diferença, tal como não teria sido possível sem a nossa imensa comunidade de leitores. Todos os dias, 24 horas por dia.

É um caminho que queremos continuar a percorrer com independência e irreverência, um caminho que só podemos percorrer se contarmos com o apoio dos nossos leitores. As nossas receitas de publicidade são muito importantes, mas concorremos com gigantes mundiais. Não são esses gigantes que vos dão o jornalismo de que gostam e de que o país precisa – esse só pode ser produzido por equipas como a do Observador. Isso tem um preço, mas que é o preço da liberdade – da sua liberdade. E do seu gosto pela qualidade, daí o nosso programa de assinaturas Premium.

Está ainda a tempo de aproveitar a promoção de final de ano. Não perca tempo – agora que 2018 está a terminar, seja também um Observador Premium.

FONTE - Observador

Ler 400 vezes