Social:
quinta, 18 outubro 2018 13:35

Algodão modificado mais perto de se tornar um alimento humano

Os Estados Unidos levantaram esta semana a proibição do cultivo de uma planta de algodão desenvolvida no laboratório.

Os reguladores dos Estados Unidos abriram caminho para os agricultores produzirem algodão geneticamente modificado e para tornar assim a semente de algodão comestível, que é rica em proteínas e poderá ser uma potencial fonte de alimento especialmente útil em países que produzam algodão e tenham problemas de subnutrição. O Departamento de Agricultura e o Serviço de Inspecção de Saúde Animal e Vegetal dos EUA levantaram esta semana a proibição dos agricultores cultivarem uma planta de algodão desenvolvida por cientistas da Universidade A&M do Texas, nos Estados Unidos.

Mesmo assim, a semente de algodão ainda não pode ser usada como alimento para humanos ou para animais porque ainda não tem a aprovação da FDA, a agência federal que regula os medicamentos e a alimentação nos EUA.

PÚBLICO -
Foto
O investigador Keerti Rathore Lacy Roberts/Universidade A&M do Texas/Reuters

Mais populares

  • Educação

    Recuperação integral do tempo de serviço dos professores na Madeira começa a 1 de Janeiro

  • Transportes

    A partir de 2020, os autocarros da Grande Lisboa vão ter marca única: Carris Metropolitana

  • i-album
    Fotografia

    Os fotógrafos que nos mostram a vida selvagem

O algodão é bastante cultivado em todo o mundo. A sua fibra é usada para o fabrico de têxteis e a semente serve, entre outras coisas, para alimentação de animais, como bovinos e ovelhas, que têm várias câmaras no estômago. A semente de algodão convencional é imprópria para consumo humano e de muitos animais porque contém níveis elevados de gossipol, uma substância química tóxica.

Mas, através da ajuda financeira de um grupo industrial de algodão, uma equipa de cientistas liderada pelo biotecnólogo de plantas Keerti Rathore – da Universidade A&M do Texas – usou a tecnologia de interferência ARNi para “silenciar” um gene e eliminar praticamente o gossipol da semente de algodão. Os cientistas acabaram por deixar o gossipol nos níveis naturais no resto da planta porque a protege dos insectos e de doenças.

“Para mim, pessoalmente, sabe um pouco como o grãos-de-bico e poderá ser facilmente usado para fazer um húmus saboroso”, disse Keerti Rathore sobre a semente de algodão sem gossipol.

Depois de ser extraído óleo da semente de algodão – que pode ser usado para cozinhar –, o que da nova planta do algodão resta é altamente proteico pode ter muitos usos. Pode ser transformada em farinha para se fazer pão, tortilhas, outros produtos cozidos ou em barras de proteínas. Já o grão da semente de algodão, se for torrado e salgado, pode ser consumido como um lanche ou para se fazer um tipo de pasta como a de manteiga de amendoim, referiu Keerti Rathore.

Se todas as sementes de algodão actualmente produzidas no mundo fossem usadas para alimentação humana, poderiam satisfazer-se as necessidades diárias de proteínas de cerca de 575 milhões de pessoas, salienta Keerti Rathore. E adianta que muitos dos cerca de 80 países produtores de algodão no mundo, especialmente na Ásia e em África, têm populações que enfrentam subnutrição e podem fazer-lhe face com a nova planta. O maior uso comercial da nova semente do algodão poderá ser a alimentação para aves, suínos e espécies aquáticas de aquacultura como peixes e marisco.

FONTE - Público

Ler 585 vezes