Social:
quinta, 12 julho 2018 13:18

Sofia Portela é a nova presidente da ADSE

Nomeação foi aprovada pelo Governo nesta quinta-feira, dois meses e meio depois da demissão do anterior presidente. Sofia Portela era até agora a vogal do instituto que gere a ADSE.

O Governo nomeou nesta quinta-feira Sofia Portela para assumir a presidência da ADSE (sistema de assistência na doença dos funcionários e aposentados do Estado). A dirigente era até agora vogal do instituto que gere a ADSE e tinha sido nomeada para o cargo juntamente com Carlos Liberato Baptista, que deixou a presidência há dois meses e meio.

A nomeação de Sofia Portela foi aprovada pelo Conselho de Ministros e, de acordo com o comunicado, a dirigente vai “completar o mandato em curso que termina em 16 de Março de 2020”.

O conselho directivo da ADSE passa a ser constituído pela nova presidente e por Eugénio Rosa, o vogal indicado pelos representantes dos beneficiários, ficando agora por preencher o lugar de vogal deixado vago por Sofia Portela.

A nova presidente é licenciada em Organização e Gestão de Empresas pelo ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa e doutorada em Métodos Quantitativos Aplicados. É professora auxiliar no ISCTE.

Quando Liberato Baptista apresentou a demissão, o Governo prometeu ser breve na nomeação de um substituto, mas o processo arrastou-se por dois meses e meio. Ainda em Maio, os ministros da Saúde e das Finanças pediram um parecer à Comissão de Recrutamento e Selecção para a Administração Pública (Cresap) quanto ao nome escolhido para dirigir a ADSE. Esse parecer foi positivo, mas por razões que se desconhecem, a nomeação nunca se concretizou. No início da semana passada, o Governo submeteu um novo nome à Cresap, processo que culmina com a nomeação de Sofia Portela.

Liberato Baptista demitiu-se a 30 de Abril por causa de um processo relacionado com a sua passagem pela Associação de Cuidados de Saúde da Portugal Telecom. O presidente demissionário manteve-se em gestão até à semana passada, quando pediu ao ministro da Saúde para sair, na sequência de uma investigação à ADSE por suspeitas de corrupção passiva que levou a que fossem feitas buscas no instituto.

FONTE - Público

Ler 113 vezes