Social:
segunda, 20 março 2017 14:02

Ministério quer chegar ao fim do ano com 50 centros de saúde com dentistas

A abertura do concurso para integração de novos profissionais está prevista para terça-feira.

O Ministério da Saúde espera que, até final do ano, existam mais de 50 centros de saúde com médicos dentistas, estando prevista para terça-feira a abertura de um concurso que visa a integração destes profissionais em 25 novos locais.

No Dia Mundial da Saúde Oral, o secretário de Estado Adjunto e da Saúde encerrou a cerimónia de apresentação do alargamento do projecto-piloto de integração de médicos dentistas nos cuidados de saúde primários do Serviço Nacional de Saúde (SNS), dizendo esperar que, até final deste primeiro semestre, existam médicos dentistas integrados em todo o país nesta área da saúde oral.

"Iniciámos no ano passado com 13 [médicos dentistas em centros de saúde], esperamos ter, até final do ano, mais de 50 integrados e o objetcivo é crescer, crescer porque os portugueses precisam muito desta área", disse no final da cerimónia.

Para Fernando Araújo, esta integração de médicos dentistas em unidades do SNS deve ser feita "de uma forma equilibrada, sustentável, de forma consistente, para que não haja volta atrás". "A integração destes médicos é para ficar, é para o futuro. O SNS tem de dar uma resposta em termos de saúde oral e certamente que irá dá-la", frisou.

Presente na cerimónia, o bastonário da Ordem dos Médicos Dentistas, Orlando Monteiro, disse que o que mais atrai estes profissionais para o SNS é "a perspectiva de poder trabalhar em equipa, integrados com outros profissionais de saúde, para poder dar um tratamento integrado aos utentes do SNS".

"Isso é extremamente atractivo e as opiniões dos médicos dentistas nos centros de saúde vão nesse sentido: têm todas as condições de trabalho, têm apoio a vários níveis e contactam com outros profissionais de saúde, colocando a medicina dentária onde deve estar - no âmbito médico e dentro do SNS", explicitou. Para Orlando Monteiro, as condições que são dadas aos médicos dentistas para irem trabalhar no SNS são "muito aceitáveis".

Desde Julho passado, quando arrancou o projecto-piloto de médicos dentistas nos centros de saúde, quase 6500 doentes foram tratados por estes profissionais nos centros de saúde públicos, integrados desde Julho num projecto-piloto que será agora alargado a mais centros de saúde.

De acordo com fonte do gabinete do ministro da Saúde, e apesar de grande parte dos 13 médicos dentistas não terem trabalhado a totalidade dos seis meses devido a questões concursais, foram realizadas 8844 consultas e tratados 6 420 doentes.

Em Julho de 2016 começaram a ser introduzidas consultas de saúde oral nos centros de saúde, com experiências-piloto que decorreram em algumas unidades da Grande Lisboa e do Alentejo.

Nesta primeira fase, tinham acesso a consultas de saúde oral doentes portadores de diabetes, neoplasias, patologia cardíaca ou respiratória crónica, insuficiência renal em hemodiálise ou diálise peritoneal e os transplantados inscritos nos agrupamentos de centros de saúde onde decorreram as experiências-piloto.

Desde essa data, foram emitidas 4.862 referenciações para consulta de saúde oral. As referenciações utilizadas e concluídas (com todos os tratamentos concluídos) atingiram as 930 e as referenciações em curso (com tratamentos em curso) 2 028. Neste período foram efectuados 9 545 tratamentos básicos e 8 321 tratamentos complementares.

Mais consultas de saúde oral

Ebntretanto, o Ministério da Saúde anunciou nesta segunda-feira que vão passar a ter consultas de saúde oral mais Agrupamentos de Centros de Saúde (ACES), sendo objectivo da tutela atingir 80% do objectivo definido - agendado para 2017 e 2018 - ainda este ano.

Na Administração Regional de Saúde (ARS) do Norte terão consultas de saúde oral no ACES Porto Oriental dois centros de saúde, mais um centro de saúde na Unidade Local de Saúde (ULS) Matosinhos, além de 13 centros den saúde na ULS Nordeste. Estão ainda incluídos nesta experiência-piloto o ACES Feira Arouca (três centros de saúde), o ACES Douro Sul (três centros de saúde) e o ACES Baixo Tâmega (três centros de saúde).

Na ARS de Lisboa e Vale do Tejo estas consultas passarão a existir no ACES Estuário do Tejo (três centros de saúde), no ACES Lezíria (três centros de saúde), ACES Médio Tejo (um centro de saúde), ACES Almada Seixal (um centro de saúde), ACES Oeste Sul (dois centros de saúde). Também estão incluídos o ACES Arco Ribeirinho (um centro de saúde), o ACES Amadora (um centro de saúde), o ACES Lisboa Central (um centro de saúde), o ACES Lisboa Ocidental e Oeiras (um centro de saúde), o ACES Sintra (dois centros de saúde), o ACES Lisboa Norte (um centro de saúde) e o ACES Loures/Odivelas (cinco centros de saúde).

Na ARS Centro, serão contemplados os ACES Dão Lafões (quatro centros de saúde), a ULS Castelo Branco (um centro de saúde), ACES Baixo Vouga (um centro de saúde).

Na ARS Alentejo será o ACES Alentejo Central (três centros de saúde) e na ARS Algarve o ACES Algarve II Barlavento (um centro de saúde), o ACES Algarve I Central (um centro de saúde) e o ACES Algarve III Sotavento (um centro de saúde).

O alargamento do projecto-piloto de integração de médicos dentistas nos cuidados de saúde primários do Serviço Nacional de Saúde é apresentado pelo secretário de Estado Adjunto e da Saúde, no Dia Mundial da Saúde Oral. 

FONTE - Público

Ler 430 vezes