Social:
quinta, 13 outubro 2016 01:47

Couch português focado na saúde mental selecionado para programa de startups em Berlim

Um projecto de quatro portugueses empreendedores focados em resolver os problemas de acesso a cuidados de saúde mental em Portugal, e junto da diáspora, acaba de ser selecionado, em Berlim, para integrar um programa de aceleração de startups da área da saúde.

Um projecto de quatro portugueses empreendedores focados em resolver os problemas de acesso a cuidados de saúde mental em Portugal, e junto da diáspora, acaba de ser selecionado, em Berlim, para integrar um programa de aceleração de startups da área da saúde.

Mais de 500 projectos candidataram-se ao Startup Bootcamp for Digital Health, em Berlim, considerada a maior incubadora de startups na Europa no apoio a projectos transformadores que combinam a medicina com a inovação tecnológica. O Project Couch, fruto da associação entre dois médicos, uma especialista em marketing e desenvolvimento de negócios e um engenheiro, é um dos dez seleccionados para o 'bootcamp' que arranca em novembro e se prolonga até meados de fevereiro de 2017.

Apoiados num investimento inicial de 15 mil euros (assegurado pelo bootcamp), o objectivo do projecto «é resolver os problemas de acessibilidade da população aos profissionais de saúde mental através de uma plataforma de video-conferência e live chat», revela ao Diário Digital um dos responsáves do projeto, actualmente em fase de captação de recursos (funding).

«Neste momento estamos muito contentes de termos conseguido o investimento inicial que nos permite arrancar com uma outra segurança. Vamos concentrar-nos em aproveitar ao máximo o acesso ao conhecimento sectorial e aos parceiros que o Programa em Berlim nos dá, de forma a que daqui a 3 meses estarmos prontos para podermos aceder a patamares de investimento bastante mais elevados», disse Suzana Durão.

Unidos pela ideia de que todas as pessoas que sofram de doenças crónicas, patologias e limitações geográficas e/ou de estigma social» possam ter acesso a cuidados de saúde mental de uma forma confortável e económica, os quatro empreendedores do Project Couch pretendem que o serviço se estenda às comunidades portuguesas no estrangeiro que, neste momento, «não têm acesso a cuidados de saúde mental na sua lingua materna», explica a responsável.

Para isso, o Project Couch está pensado para ser uma plataforma global tendo sido planeada para responder às diferentes características de cada ecosistema da saúde mental nos diferentes países.

«Estamos determinados a tornar o serviço disponível em Portugal o mais depressa possível e por isso foi tão importante encontrarmos os parceiros que nos garantissem uma aceleração muito eficaz e que levasse em consideração as especificidades do sector da saúde», acrescenta Suzana Durão.

Além do financiamento assegurado pela participação no programa de startups, o Project Couch está em Berlim para se apresentar em rounds de investimento que podem ir até aos 500 mil euros, incluindo o acesso a um 'demo day' com mais de 400 investidores do sector e representantes do ecosistema da saúde a nível europeu.

Segundo João Vilas Boas, um dos médicos do Project Couch, «a saúde mental é uma questão de saúde pública em toda a Europa. E a luta contra o estigma e a dor que a doença mental causa é uma missão que nos apaixona. Acreditamos que é fucral dar às pessoas informação e formas mais simples de acesso aos cuidados da saúde mental, contribuindo assim para uma melhor qualidade de vida e integração social».

FONTE - Diário Digital Saúde

Ler 1619 vezes