Social:
quarta, 30 julho 2014 19:58

Abílio Teixeira | 10 anos de FE

Antes do mais, gostava de ressalvar que é um enorme gosto colaborar, novamente, com esta plataforma. Realço “novamente” pois tenho-me desligado um pouco da atividade da mesma, pelos mais variados motivos.

Não me recordo como tive conhecimento do FE, mas lembro de o divulgar entre os meus colegas de turma, no longínquo ano letivo de 2004/5 (ano de conclusão da licenciatura em Enfermagem). Alguns dos membros mais antigos do FE daqui derivam. Lembro, vagamente, de algumas discussões iniciais, de algumas trocas de opiniões, por vezes, mais acaloradas. Agora, olhando para trás, acredito que isso tenha sido fruto da idade, de algum espírito “irreverente” e de “querer mudar o mundo” de quem é novo! De certa forma, o FE veio ocupar uma lacuna existente permitindo esta troca de ideias e ideais entre diferentes enfermeiros, com diferentes pontos de vista. Assim, em mim, estimulou o desejo de querer saber mais, estimulando o poder argumentativo e o pensamento crítico e reflexivo.

Atualmente, encararia este projeto de forma muito “mais séria”. Talvez devido ao meu percurso académico e profissional: prática profissional (quase em exclusivo) no Serviço de Cuidados Intensivos 1 do Centro Hospitalar do Porto – Hospital de Santo António (SCI1: CHP-HSA), desde 2005, mestre em “Ciências de Enfermagem”, pós-graduado em “Gestão e Administração em Saúde”, membro de comissões científicas de diversos congressos nacionais, coordenador de cursos para Enfermeiros, palestrante em alguns congressos nacionais e internacionais, responsável pelos grupos de trabalho no SCI1: CHP-HSA de “Prática Baseada na Evidência” e “Indicadores de Qualidade”. Ou seja, nestes últimos 10 anos, algo do que sou como enfermeiro, em todas estas áreas atrás enumeradas, teve algo, em algum momento, influenciado pelo FE. Digo isto com a maior sinceridade, pois todas as discussões e partilhas permitiram um crescimento pessoal, influenciando a minha visão da Enfermagem. Saímos da esfera local para uma esfera global. O FE permitiu o contato entre enfermeiros de norte a sul, com todas as diferenças sociais, culturais e educacionais.

Esta foi uma primeira janela para muitos enfermeiros terem contato com “o Mundo”, abrindo as portas e janelas do hospital e das escolas. Qualquer um, enfermeiro ou não, com acesso a um computador e à internet poderia trocar opiniões com os membros do FE (com todas as suas vantagens e desvantagens!). Simultaneamente, com a evolução da WEB, começam a surgir outros meios de comunicação, ocorrendo alguma dispersão dos utilizadores, passando a uma consulta regular de alguns meios de informação mais específica. Poder-se-ia, ainda que com as devidas diferenças, dizer que isto acompanha algumas tendências futuras da enfermagem: especialização profissional e enfermagem avançada.

Ao longo destes 10 anos, penso que a Enfermagem evoluiu como disciplina do conhecimento, fruto do investimento do Enfermeiro na Investigação. No entanto, penso que esta investigação deve ser mais próxima da prática e não desenvolvida (e muitas vezes perdida) em contexto académico. Esta é uma mudança com a qual o Enfermeiro português ter-se-á que identificar, não podendo ocupar os próximos 10 anos!

Terminando e sendo o mais sincero possível, tendo em conta o que me foi solicitado: sou enfermeiro, adoro o que faço, entrego-me a 100% em todas as atividades que desempenho. No entanto, neste momento, não sinto orgulho em ser Enfermeiro. Pela desunião que existe entre a classe, pelo individualismo em detrimento do coletivo, pelo desânimo em ver a pouca implicação dos enfermeiros para com a Enfermagem, justificada pela ausência de motivação, pelo não comprometimento para com a Ciência de Enfermagem. Assim, neste momento, pondero dois caminhos: prosseguir o estudo de investigação iniciado aquando do mestrado, com o Doutoramento OU enveredar por outra área profissional, tirando uma outra licenciatura (fora da área da saúde), porque, entre outras coisas, permite o devido reconhecimento, público e remuneratório, consoante a qualidade demonstrada, o que não sucede em Enfermagem.

Termino, com um obrigado a todos os membros do FE e... Parabéns! Que continuem a crescer!

Abílio Teixeira